"Existe hora de falar e hora de ficar calado", diz Duque na CPI da Petrobras

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O juiz Sérgio Moro determinou a apresentação de Renato de Souza Duque, mediante escolta da Polícia Federal

Começou há pouco a sessão da CPI da Petrobras convocada para ouvir o depoimento do ex-diretor da estatal Renato Duque.

Renato Duque, investigado na Operação Lava Jato, seguiu a orientação de seu advogado e não respondeu a nenhuma pergunta dos parlamentares. Foto: Agência BrasilRenato Duque, ex-diretor da Petrobras, negou aos parlamentares da CPI da Petrobras que sua mulher conheça o ex-presidente Lula ou Paulo Okamoto. Foto: Agência BrasilRenato Duque, que foi questionado por parlamentares na CPI da Petrobras nesta quinta-feira (19/03/2015), é uma das principais peças da Operação Lava Jato. Foto: Agência BrasilRenato Duque, ex-diretor da Petrobras, só falou aos parlamentares da CPI quando foi confundido com outro investigado, o ex-gerente Pedro Barusco. Foto: Agência BrasilEx-diretor da Petrobras, Renato Duque foi convocado pela CPI da Petrobras (19/03/2015). Foto: Agência BrasilParlamentares da CPI da Petrobras ficaram irritados com o silêncio de Renato Duque, ex-diretor da petroleira que é está envolvido na Operação Lava Jato. Foto: Agência BrasilIncomodado com o silêncio de Renato Duque na CPI da Petrobras, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) propôs a convocação imediata da mulher do ex-diretor da petroleira. Foto: Agência Brasil

O ex-diretor da Petrobras diz que, por orientação de sua defesa, vai ficar calado, reservando-se ao direito constitucional ao silêncio. "Existe uma hora de falar e uma hora de ficar calado", finalizou.

Apesar do silêncio do ex-diretor Renato Duque, os deputados presentes na CPI vão insistir e encaminhar suas perguntas.

Ao vivo: Clique aqui e assista ao depoimento de Renato Duque

Duque foi preso na segunda-feira (16) pela Polícia Federal, durante a deflagração da 10ª Fase da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, em um condomínio na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, enquanto tomava café com a família. Na casa do ex-diretor da Petrobras foram apreendidas mais de cem obras de arte, além de relógios e canetas. Após a prisão, ele foi transferido para Curitiba.

O depoimento de Duque estava marcado para ocorrer no auditório da Superintendência da Polícia Federal (PF), em Brasília, mas o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), suspendeu, nesta quarta-feira (18), Ato 82 da Mesa Diretora da Casa, de 12 de julho de 2006, para permitir o depoimento na Câmara.

Leia mais:

CGU abre processo contra mais seis empresas citadas na Lava Jato

Justiça envia obras de arte ampreendidas com Renato Duque para museu no PR

Suíça bloqueia R$ 1,3 bilhão de contas de investigados na Lava Jato




Leia tudo sobre: operação lava jatolava jatorenato duquecpipetrobras

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas