Líder do governo na Câmara diz que é um erro oposição fugir ao diálogo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

O vice-presidente Michel Temer e ministros se reuniram hoje durante cerca de duas horas na manhã desta terça-feira (17)

Agência Brasil

O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), disse hoje (17) que “é um erro” fugir ao diálogo em uma democracia. Guimarães deu a declaração em resposta a questionamento sobre a oposição resistir a abrir diálogo com o governo. Ele participou de um café da manhã no Palácio do Jaburu com o vice-presidente Michel Temer, ministros e outros líderes da base aliada na Câmara. Eles discutiram o pacote anticorrupção, reforma política e o ajuste fiscal.

Líderes da base aliada durante café da manhã com o vice-presidente Michel Temer e o ministro Aloizio Mercadant (16.03.15)
Antonio Cruz/Agência Brasil
Líderes da base aliada durante café da manhã com o vice-presidente Michel Temer e o ministro Aloizio Mercadant (16.03.15)

“Qualquer democrata desse país não pode fugir ao diálogo. O país tem causas que independem de governo ou oposição. São causas produzidas pela democracia. Ninguém pode fugir ao diálogo, é um erro”, declarou, no fim da reunião. Participaram do encontro os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, da Justiça, Eduardo Cardozo, da Previdência Social, Carlos Gabbas e do Esporte, George Hilton.

Segundo a assessoria de Temer, Cardozo falou sobre o pacote anticorrupção e reforma política, e Gabbas, sobre as medidas provisórias que alteram leis trabalhistas. Ao fim do encontro, que durou cerca de duas horas, nenhum ministro falou com a imprensa. Segundo Guimarães, único a dar entrevista, a reunião serviu para dar continuidade ao processo de rearticulação da base na Câmara.

“Foram colocados os pontos centrais, ainda não detalhados, do pacote anticorrupção que será anunciado nas próximas horas e também a necessidade de votação do ajuste [fiscal]”, disse. O líder do governo afirmou também que o PT é peça-chave na montagem da base para votar o ajuste, "evidentemente dialogando com a sociedade, com as centrais [sindicais] e com o Congresso”.

Segundo ele, em reunião na noite de ontem (16) com a bancada do PT, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fez uma exposição “muito convincente” sobre a importância do ajuste fiscal. Para Guimarães, a comunicação com a sociedade é fundamental para aprovar as medidas provisórias. “Não estão tirando direito de ninguém. Estão apenas fazendo ajuste. Tem muitas inverdades sendo ditas. São novos tempos, é um novo ambiente e a base está firme e forte com o governo.”

Leia tudo sobre: josé guimarãesptmichel temer

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas