"São Paulo vai ter a maior manifestação contra a Dilma", diz Paulinho da Força

Por Anderson Passos - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Líder do Solidariedade prevê que mais de 100 mil pessoas devem pedir afastamento de Dilma na capital paulista

Uma das lideranças da oposição ao governo Dilma Rousseff (PT), o deputado federal e presidente nacional do Solidariedade (SD), Paulo Pereira da Silva, prevê que São Paulo deve sediar, neste domingo (15), a maior manifestação em defesa do afastamento da petista do Palácio do Planalto.

Paulinho ergue a mão de Aécio em ato no ano passado; meta agora é derrubar Dilma
Fotos Públicas
Paulinho ergue a mão de Aécio em ato no ano passado; meta agora é derrubar Dilma

Leia mais: Pacífico, protesto em SP reúne 12 mil pessoas a favor de Dilma e contra ajuste

Manifestações: confira a relação de protestos marcados para este domingo

"São Paulo vai ter a maior manifestação contra a Dilma. Vamos colocar mais de 100 mil na rua", prevê o deputado, sustentando que, com a ida à TV no último dia 8 para um pronunciamento à nação, "o pessoal ficou com ainda mais raiva dela".

Paulinho prevê também um número parecido em Brasília, Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC) e Curitiba (PR). Em São Paulo, a concentração será na Avenida Paulista e não deverá haver deslocamentos.

"Vamos colocar cinco caminhões de som ao longo de toda a avenida. Vamos aproveitar e colher assinaturas a favor do afastamento dela", diz o presidente do Solidariedade, que espera contar com 1 milhão de adesões.

As assinaturas, que ele espera ter em uma semana, além de pareceres pró-impeachment de 12 juristas renomados - entre eles Ives Gandra Martins - serão encaminhadas em até 15 dias ao presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Uma coisa é fazer como o Bolsonaro, que foi lá sozinho e protocolou o pedido. Se eu levar ao presidente Eduardo Cunha um pedido com 1 milhão de assinaturas tem outro peso", disse Paulinho da Força ao iG neste sábado (14).

Presenças

Sobre o ato, Paulinho espera a presença do senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP), além de parlamentares do SD, do PPS, do PSDB e até do PSB, que em São Paulo é alinhado ao governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Questionado sobre a presença do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Paulinho comentou que, se aparecer, Aécio participará dos atos no Rio de Janeiro.

O deputado federal assinalou também que não serão permitidas máscaras nos atos da capital paulista e que o policiamento será reforçado. Ele também minimizou a presença de manifestantes favoráveis à intervenção militar.  "Essa agenda não é nossa. Nossa agenda é tirar a Dilma", finalizou.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas