"Defender impeachment neste momento é golpe", diz Pepe Vargas

Por Clarissa Oliveira e Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em conversa com o iG, ministro também defendeu o novo modelo de articulação adotado pelo governo, que incorpora ministro de outras pastas na função própria de sua secretaria. Para Pepe, isto não esvazia suas funções no Planalto

Ministro Pepe Vargas
Agência Brasil
Ministro Pepe Vargas

Às voltas com as últimas revoltas na base do governo e com sua própria sobrevivência na coordenação política, o ministro Pepe Vargas, da Secretaria de Relação Institucionais (SRI), saiu em defesa do governo e criticou as manifestações que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Para ele, não há outra palavra a não ser “golpe” para definir a principal reivindicação dos protestos que deverão tomar as ruas das principais cidades do País no domingo (15). “Defender impeachment neste momento é golpe”, disse o ministro em entrevista ao iG.

“Nós temos uma normalidade constitucional e democrática no Brasil. Defender impeachment neste momento, com uma presidente que foi eleita legitimamente pelo voto popular e que não tem nenhum crime de responsabilidade aferido a ela, é golpe. Não tem outra palavra para dizer”, considerou o ministro.

Pepe ressaltou que o governo não questiona a legitimidade das manifestações. “ O direito manifestação é constitucional. As pessoas têm o direito de se organizar, todos nos sabemos que boa parte deste movimento chamado para o domingo é articulado pela oposição, o que é legítimo, extremamente legítimo. Isto não tem problema. O que não é legítimo é querer romper a ordem constitucional brasileira. Isto é inaceitável”, disse.

“Em uma eleição há vitoriosos e derrotados. Nós fomos vitoriosos e há que se respeitar este resultado das urnas”, enfatizou.

LEIA: Do impeachment ao golpe militar: atos contra Dilma têm discurso fragmentado

Somando esforços na articulação

Após a decisão da presidente de incorporar ministros de outros partidos na articulação política do governo, Pepe tem lidado com o constante questionamento de seu papel à frente da pasta. O ministro, no entanto, sai na defesa do novo modelo adotado pela presidente Dilma em meio a crise dentro da base e diante da perspectiva dos protestos contra o governo.

“O nosso objetivo é que todos os ministros façam muita articulação política com o Congresso Nacional. Se em um ministério a articulação com o Congresso não está boa, se deixa de atender, mesmo que seja para dizer não, isso reflete na articulação política. Então nós queremos todos os ministros, os que fazem parte da coordenação e os que não fazem parte, atuando fortemente na articulação política”, disse o ministro.

“Isto não esvazia a secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República. Pelo contrário. Isto a fortalece”, disse o ministro que evitou falar sobre sua possível saída da pasta. “Esta é uma decisão da presidente, é obvio que o PMDB buscas seus espaços, o que é legítimo”, ponderou.

“O que tem até agora são as famosas questões em off e em off a gente não responde com todo respeito. Alguém vem e defende seriamente uma proposta, ou esta proposta não tem seriedade", disse Pepe Vargas.

Muito da dificuldade de articulação do governo é atribuída à presidente Dilma Rousseff por integrantes de partidos aliados que reclamam de uma postura centralizadora. Pepe, no entanto, apontou o esforço que a presidente Dilma tem feito para ajudar na articulação, neste início de segundo mandato, quando o Planalto sentiu o humor do Congresso, abalado pela disputa na eleição da Câmara e pelos recentes pedidos de investigação contra políticos apresentados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Nos últimos dias há um processo de recomposição da base do governo e de capacidade de resposta do governo que é muito efetiva. Parte se deve ao trabalho da SRI [Secretaria de Relações Institucionais] e parte se deve ao conjunto do trabalho do governo de vários ministérios atuando na relação com o Congresso Nacional”, disse o ministro. “A presidente participou ativamente deste processo”, ressaltou.

O ministro ainda ressaltou que o processo de ajuste fiscal do governo é momentâneo e reconheceu a incapacidade do governo de demonstrar as razões das medidas e o quanto o País melhorou nos últimos anos. “O Brasil não está pior do que estava há 10 anos” ressaltou.

“As pessoas saíram da miséria, as pessoas foram para a classe média. Outro dia eu li um artigo que dizia: A nova classe média está com algumas dificuldades. Eu quero dizer que, pode ser que estas pessoas estejam com dificuldades, agora, dificuldades elas tinham quando ainda nem eram uma nova classe média”, ponderou. “Eu acho que a gente está tendo pouca capacidade de dizer isso para a população”, reconheceu.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas