Mesmos grupos estão entre os principais articuladores dos protestos marcados para o próximo 15 de março a favor do impeachment de Dilma

BBC

O panelaço que estampou capas dos principais jornais brasileiros nesta segunda-feira não foi uma reação às palavras ditas por Dilma Rousseff em seu discurso no Dia Internacional da Mulher.

Registrado em diversas cidades, o barulho foi articulado na semana anterior por pelo menos três grupos: Revoltados Online, Vem pra Rua e Movimento Brasil Livre. Por meio de montagens fotográficas com imagens de Dilma e Lula no Facebook, os grupos convidavam a população para o bate panela, independente do que a presidente dissesse em seu pronunciamento oficial.

Desgastada, Dilma cedeu à pressão por mudança na comunicação

Dilma diz que impeachment sem justificativa é "ruptura democrática"

"Independente do que fosse dito ela tomaria o panelaço", completa Marcello Reis, líder do Revoltados Online, movimento que reivindica a autoria da mobilização digital. "É importante frisar que a iniciativa partiu da gente."

"(O panelaço) Teve comunicação prévia, sim", confirmou à BBC Brasil Kim Kataguri, porta-voz do Brasil Livre. "Depois se espalhou de maneira espontânea."

Panelaço simultâneo trouxe visibilidade aos protestos marcados para o dia 15 em pelo menos 34 cidades
BBC
Panelaço simultâneo trouxe visibilidade aos protestos marcados para o dia 15 em pelo menos 34 cidades


Os mesmos grupos estão entre os principais articuladores dos protestos marcados para o próximo 15 de março a favor do impeachment de Dilma.

"A gente queria preparar um esquenta para as manifestações da semana", explica Reis.

O "esquenta" continua: desde o episódio, as páginas conclamam seus seguidores a enviarem fotos interagindo com a imagem da presidente em seu pronunciamento. A maior parte das imagens compartilhadas pela página mostra gestos obcenos.

"Não orientamos ninguém a fazer essa coisa do dedo", diz Reis, do Revoltados Online. "Compartilhei a imagem de um médico amigo meu fazendo o gesto e as pessoas começaram a repetir."

Resultados

Em seu primeiro pronunciamento em rede nacional desde o início do segundo mandato, Dilma Rousseff pediu paciência aos brasileiros e atribuiu os problemas enfrentados pelo país ao que definiu como crise internacional.

"Estamos na segunda etapa do combate à mais grave crise internacional desde a grande depressão em 1929", disse a presidente.

Em sua fala, Dilma afirmou que "não havia como prever que a crise internacional duraria tanto". Durante o discurso de 15 minutos, destacou "a coincidência de estarmos enfrentando a maior seca da nossa história, no Sudeste e no Nordeste" e fez breve menção às investigações da operação Lava Jato.

"A mão da Justiça vem se fortalecendo", disse. "É isso, por exemplo, que vem acontecendo na apuração ampla, livre e rigorosa nos episódios lamentáveis contra a Petrobras."

Em meio a críticas ao discurso ─ classificado por muitos como "desconectado da realidade" ─, o panelaço simultâneo trouxe visibilidade aos protestos marcados para o dia 15 em pelo menos 34 cidades ─ de Natal, no Rio Grande do Norte, a Blumenau, em Santa Catarina.

Nas últimas 24 horas, segundo a ferramenta Topsy, o termo "panelaço" apareceu 44 mil vezes no Twitter. A palavra impeachment, por sua vez, foi compartilhada 14 mil vezes no mesmo período.

As hashtags mais associadas a "panelaço" foram #foracardozo (referência ao ministro da Justiça José Eduardo Cardozo), #vaiadilma e #foradilma.

Além do Brasil ─ que concentrou 89% das menções ─, o panelaço foi compartilhado nos Estados Unidos, em países europeus e na Austrália. 66% das publicações foram compartilhadas por homens.

Veja os políticos que estão na lista da Operação Lava Jato:


    Leia tudo sobre: impeachment lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.