Paulo Roberto Costa apontou irregularidades na carceragem da PF em Curitiba, onde afirmou ter usado aparelho duas vezes

Agência Brasil

Em depoimento de delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa apontou irregularidades na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde alguns dos investigados na Operação Lava Jato estão presos.

Paulo Roberto Costa durante acareação com Nestor Cerveró no Congresso Nacional do País
Geraldo Magela/Agência Senado
Paulo Roberto Costa durante acareação com Nestor Cerveró no Congresso Nacional do País

Ele disse que usou duas vezes um telefone celular dentro de uma das celas para falar com a família e que foi servido um prato de costela na prisão. Costa acredita que a refeição foi paga pelo doleiro Alberto Youssef, "único que possuía dinheiro em espécie dentro da custódia".

Leia mais:
Ex-diretor da Petrobras diz que esquema de desvios abasteceu PT, PMDB e PP

Sobre o celular, ele disse que o aparelho era entregue para o doleiro Alberto Youssef. O ex-diretor afirmou aos investigadores que não sabia quem entregava o celular, pois estava preso em uma ala oposta.

Veja quem são os políticos investigados na Operação Lava Jato:

Paulo Roberto Costa disse que um carcereiro chamado Benites pediu doações para um asilo que ele ajudava. Após o acerto por telefone, fornecido pelo carcereiro, uma das filhas do ex-diretor da Petrobras fez dois depósitos, de R$ 1 mil e R$ 2 mil, para o carcereiro.

Leia também:
Contratos falsos de R$ 20 milhões bancaram propina a Paulo Roberto Costa, diz PF
Bairros nobres de São Paulo têm vaia e "panelaço" durante discurso de Dilma

O caso foi descoberto pela Polícia Federal em julho de ano passado. Um inquérito foi aberto, mas a conclusão não foi divulgada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.