Gabrielli e Graça Foster devem ser os primeiros a depor na CPI da Petrobras

Por Agência Câmara | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A ordem dos depoimentos, no entanto, ainda precisa ser aprovada pelos integrantes da CPI

Agência Câmara

O relator da CPI da Petrobras, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), definiu os nomes dos primeiros depoentes, pela ordem:

- o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli;
-  a ex-presidente da Petrobras Graça Foster;
- a diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Magda Chambriard;
- o doleiro Alberto Youssef;
- o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa; e
- o ex-gerente executivo de Engenharia da Petrobras, Pedro Barusco.

  Graça Foster
Reuters
Graça Foster

O plano de trabalho anunciado pelo relator prevê ainda o interrogatório de réus e pessoas denunciadas na Justiça, assim como a solicitação de inquéritos da Polícia Federal ligados à Operação Lava a Jato, investigações do Tribunal de Contas da União (TCU) e outros órgãos de controle e o compartilhamento de informações da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras, encerrada em dezembro do ano passado.

Leia também:

Cunha vai de surpresa à CPI da Petrobras e diz que está à disposição para depor

Bate-boca marca início da CPI da Petrobras nesta quinta-feira

Operação Lava Jato chega a "momento crucial", diz Janot em carta a colegas

Ao todo, Luiz Sérgio contemplou 43 requerimentos de oitivas apresentados pelos membros da CPI.

Também devem ser chamados para depor: João Adalberto Elek Junior (diretor de Governança e Risco da Petrobras), Jorge Zelada (ex-diretor da Área Internacional da Petrobras), Nestor Cerveró (ex-diretor da Petrobras), Renato Duque (ex-diretor da Petrobras), Júlio Faerman (empresário) e Luiz Eduardo Carneiro (presidente da empresa Sete Brasil).

Apesar da intenção contida no plano de trabalho do relator, os nomes e a ordem dos depoimentos ainda devem ser aprovados pelos membros da comissão, já que estão previstos em requerimentos que ainda serão votados pela CPI.

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado


Leia tudo sobre: operação lava jatolava jatogabriellifosterpetrobrascpi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas