Confira os nomes que podem estar na lista de investigados da Operação Lava Jato

Por iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Nos bastidores, expectativa é de que a lista da Procuradoria-Geral da República inclua desde os presidentes da Câmara e do Senado, além de dezenas de parlamentares e dirigentes partidários

Com base em informações de bastidores e no conteúdo das delações premiadas de envolvidos no esquema de desvios na Petrobras, há a expectativa de que a lista de 54 políticos que se tornarão alvos nos 28 inquéritos que serão abertos no Supremo Tribunal Federal dentro da Operação Lava Jato inclua dezenas de senadores e deputados federais, cujo grupo é encabeçado pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Definição. O ministro Teori Zavascki decidirá agora se vai abrir inquéritos e se o processo será sigiloso
DIDA SAMPAIO
Definição. O ministro Teori Zavascki decidirá agora se vai abrir inquéritos e se o processo será sigiloso


Leia mais: Lista com 54 nomes de políticos investigados na Lava Jato chega ao STF

No Senado, além de Renan, os outros prováveis nomes são o ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL), Humberto Costa (PT-PE), Edison Lobão (PMDB-MA, ex-ministro das Minas e Energia), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ciro Nogueira (PP-PI ),Valdir Raupp (PMDB-RO), Romero Jucá (PMDB-RR), Benedito Lira (PP-AL), Delcídio Amaral (PT-MS) e Lindberg Farias (PT-RJ).

Perspectiva de perder poder alimenta embate entre Renan e o governo
As delações mencionaram ainda senadores de oposição como Alvaro Dias (PSDB-PR). Houve suspeitas levantadas sobre Antonio Anastasia (PSDB-MG) e, mais recentemente, Aécio Neves (PSDB-MG), mas as especulações nos bastidores apontam que ambos teriam ficado fora da relação por falta de indícios que justificassem uma investigação. 

Além do presidente da Câmara, a relação dos deputados que podem se tornar alvo de inquérito inclui Simão Sessim (PR-RJ) Nelson Meurer (PR-PR), João Pizzolatti (PP-SC), Luiz Fernando Faria (PP-MG), Alexandre José dos Santos (PMDB-RJ) e Vander Loubert (PT-MS).

Alguns nomes citados e que podem constar da relação já não detêm mais mandatos parlamentares. É o caso de André Vargas (ex-PT-PR), Luiz Argôlo (SDD-BA), Cândido Vaccarezza (PT-SP) e Aline Corrêa (PP-SP). Sem contar Sérgio Guerra (PSDB-PE), já falecido. Outro citado que se enquadra nessa categoria seria o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (RN), que pode ter saído da lista por falta de indícios que amparem o aprofundamento das investigações.

Na lista de nomes citados nos depoimentos de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef aparecem também dois governadores no exercício dos cargos, Luiz Fernando Pezão, do PMDB do Rio, e Tião Viana, do PT do Acre. E ainda três ex-governadores: Sérgio Cabral (PMDB-RJ), Roseana Sarney (PMDB-MA) e Eduardo Campos (PSB-PE), este último ex-candidato a presidência, que morreu em acidente aéreo no meio da campanha do ano passado. Os ex-ministro Antônio Palocci (Fazenda) e Mário Negromonte (Cidades) também chegaram a ser mencionados no decorrer das investigações.

Oficialmente, os 54 políticos que serão investigados em 28 inquéritos devem ter seus nomes revelados nesta sexta-feira, quando o ministro Teori Zavascki, atendendo ao pedido do procurador Rodrigo Janot, retirará os sigilo imposto pelos contratos de delação premiada firmados por Costa e Youssef com o Ministério Público Federal do Paraná.

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado





Oficialmente, os 54 políticos que serão investigados em 28 inquéritos devem ter seus nomes revelados nesta sexta-feira, quando o ministro Teori Zavascki, atendendo ao pedido do procurador Rodrigo Janot, retirará os sigilo imposto pelos contratos de delação premiada firmados por Costa e Youssef com o Ministério Público Federal do Paraná.

Leia tudo sobre: lava jatoteori zavasckiyoussef

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas