Lula entra em campo para ajudar Dilma com PMDB

Por Mel Bleil Gallo , iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Aliados do ex-presidente temem que desgaste do governo contamine planos para 2018

O PT decidiu recorrer ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tentar reverter a crise vivenciada na base de sustentação do governo. A estratégia faz parte de um conjunto de ações definidas pela principal corrente petista, a Construindo um Novo Brasil (CNB), da qual fazem parte Lula e nomes como o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (CE), o ex-ministro Gilberto Carvalho. 

LEIA TAMBÉM:
Na Câmara, PMDB procura se descolar do PT de olho nas eleições de 2018

Ex-presidente Lula participará de jantar para definição de estratégia do PT
José Cruz/Agência Brasil
Ex-presidente Lula participará de jantar para definição de estratégia do PT

Com a entrada de Lula no jogo, os petistas decidiram concentrar esforços na recomposição com o PMDB no Congresso. A relação com o partido ficou desgastada com a disputa pela presidência da Câmara, vencida pelo peemedebista Eduardo Cunha. A nova estratégia prevê também organizar uma reação mais enérgica do governo federal às críticas da oposição. 

O pontapé da ação de Lula ocorrerá nesta quarta-feira (25), à noite, em Brasília em um jantar com os senadores petistas e alguns nomes de peso do partido, na casa do senador Jorge Viana (PT-AC). O ex-presidente dará o tom da reaproximação com peemedebistas do Senado, aproveitando para resgatar seu sua boa relação com o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). 

Neste processo, Lula é visto como uma espécie de “fiador” por petistas próximos do ex-presidente. O coordenador da CNB Paulo Ferreira (PT-RS) diz que este movimento é fundamental para a sustentação do governo. “São perfeitamente compreensíveis e necessárias as tentativas de viabilizar uma base para o governo sustentável. É uma decisão do PT buscar este entendimento com o PMDB e Lula é o fiador disso. Ele tem ajudado muito e vai ajudar muito mais”, diz Ferreira. 

Enfrentamento

Ontem, ao participar de um ato em defesa da Petrobras, o ex-presidente já deu exemplos da nova postura. Em meio a lideranças políticas, sindicais, artísticas e acadêmicas do Rio de Janeiro, Lula disse que era hora de Dilma partir para o enfrentamento. “A Dilma tem que levantar a cabeça e dizer 'eu ganhei as eleições'. A Dilma não pode e não deve ficar dando trela. Nós ganhamos as eleições e parece que estamos com vergonha de ter ganho.” 

O PT também adotou o discurso de que a disputa pela presidência da Câmara deve ser vista um episódio superado e que a vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é legítima. Adversário nas eleições, o líder do PT na Casa, Sibá Machado (PT-AC), é um dos que, agora, não mede palavras para elogiar os peemedebistas. “Nós confiamos completamente no PMDB. Eles são fundamentais dentro do nosso projeto de governo do país. Agora, é claro que nós temos diferenças, mas por isso estamos em dois partidos, que, entretanto, caminham juntos”, diz Sibá.

Reconstrução da governabilidade

Líder do governo na Câmara, José Guimarães quer recomposição com PMDB
Alan Sampaio / iG Brasília
Líder do governo na Câmara, José Guimarães quer recomposição com PMDB

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), chamou a movimentação no Congresso de “concertação política”. “A palavra de ordem agora é diálogo e construção da governabilidade. Nós queremos recompor a base governo, fortalecer o colégio de líderes envolvendo todos os partidos da base e construir uma agenda política importante para o país”, defende. Guimarães diz também que pretende inaugurar uma “nova era” na relação entre ministros e deputados. 

“Nós precisamos acabar com essa história de que ministro convidado não vai. Nós vamos povoar a Câmara de ministros. Nós estamos transformando o gabinete da liderança do governo num grande centro de articulação política, como base para a presença dos ministros”, explica o cearense. O primeiro a visitar o gabinete com esse objetivo foi o ministro da Educação, Cid Gomes, que recebeu mais de 100 deputados para conversar. Nas próximas semanas, será a vez de Arthur Chioro (Saúde), Juca Ferreira (Cultura) e Ideli Salvatti (Direitos Humanos). 

Ministros também participam de articulação

Nesta reta inicial, também foram escalados os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Manoel Dias (Trabalho), Nelson Barbosa (Planejamento), Carlos Cabas (Previdência). A intenção era tentar reverter o clima contrário ao pacote de medidas do governo que mexe nos benefícios previdenciários e trabalhistas e, pelo menos junto aos peemedebistas já começou a surtir efeito. 

Após um jantar na última segunda-feira entre Levy e a cúpula do PMDB, ficou acertado que a essência das medidas enviadas pelo Palácio do Planalto terá o apoio dos aliados. Apesar de tardio, o resultado da negociação foi visto como uma vitória política para o ministro da Fazenda - embora a avaliação seja de que o governo ainda terá de ceder bastante aos peemedebistas. Se por parte do PT, o discurso voltado para atrair o PMDB, ainda resiste entre os peemedebistas a retórica de desconfiança em relação ao partido da presidente Dilma Rousseff.

Leia tudo sobre: ptpmdbluladilma roussef

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas