Lava Jato: Ministro da Defesa defende que as investigações não "parem o Brasil"

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo o ministro Jaques Wagner, companhias investigadas como a Odebrecht representam “inteligência nacional”

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, defendeu nesta terça-feira (24) que as investigações da Operação Lava Jato não afetem as empresas brasileiras.

Segundo ele, companhias como a Odebrecht, cujos executivos estão sob investigação por envolvimento com o esquema de corrupção, representam uma “inteligência nacional” por concentrar grande capacidade técnica.

Jaques Wagner, ministro da Defesa, visita o Estaleiro e Base Naval (EBN) da Marinha em Itagua, RJ
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Jaques Wagner, ministro da Defesa, visita o Estaleiro e Base Naval (EBN) da Marinha em Itagua, RJ

Ele disse estar preocupado quanto aos desdobramentos das investigações a "médio e longo prazos", no corpo técnico e no andamento das obras executadas por essas empresas.

Acrescentou que é necessário preservar a tecnologia nacional desenvolvida pelas empresas brasileiras. “Quem é que vai construir isso aqui se não for o corpo de engenheiros que ao longo de 30 ou 40 anos acumulou inteligência? Aí vamos ter que chamar americano, alemão, francês ou chinês para construir”, disse o ministro.

Operação Lava Jato veja últimas notícias:
Testemunha de Youssef pede cancelamento de audiência
PMDB indica deputado Hugo Motta para presidir CPI da Petrobras
STJ nega liberdade provisória a diretor da Galvão Engenharia

Jaques Wagner destacou a necessidade de, ao se investigar os casos de corrupção na Petrobras envolvendo as empreiteiras, não “jogar a criança fora junto com a água suja”. “Vamos jogar só a água suja (quem está envolvido em esquema de corrupção), mas vamos defender a criança, que são as nossas empresas”, acrescentou.

O ministro visitou as obras do estaleiro naval que construirá cinco submarinos para a Marinha, feitas pela Odebrecht. Wagner defendeu que as investigações não podem ser motivo para paralisar o governo.

“O Brasil tem que separar duas coisas: as investigações que correm no Ministério Público, na Justiça e na Polícia Federal e a nossa agenda de governo. Tem medidas contra a corrupção, que serão publicadas. Tem medidas contra a impunidade, que estão sendo preparadas. Nós não vamos parar o país para ficar assistindo o espetáculo da investigação. Esse item tem o seu contexto. Mas não vamos parar de trabalhar, porque o pessoal depende de emprego e de crescimento econômico”, disse o ministro da Defesa.

Veja imagens da Operação Lava Jato:

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado

Em entrevista, o ministro foi perguntado sobre o fato de o presidente da empresa UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, investigado pela Lava Jato, de incluí-lo como testemunha de defesa. “Imagino que ele me chamaria porque as obras ou serviços que a UTC tem na Bahia não apresentam irregularidades, apesar de ser baixa a presença da UTC na Bahia”, disse o ministro.

Jaques Wagner confirmou que recebeu dinheiro da UTC durante suas campanhas de 2006 e 2010 para o governo do estado e durante a campanha de seu sucessor, no ano passado. Mas, segundo ele, os recursos foram informados à Justiça Eleitoral.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas