Mário Mendonça Goes era o último foragido da nona fase da operação desencadeada na quinta-feira passada

Último foragido depois que foi desencadeada a nova fase da Operação Lava Jato, Mário Mendonça Goes, suspeito de ser o operador de um esquema de corrupção envolvendo a Arxo Industrial e a BR Distribuidora, se entregou à Polícia Federal neste domingo, em Curitiba (PR). 

Nona etapa da Operação Lava Jato foi desencadeada na última quinta-feira (5)
Futura Press
Nona etapa da Operação Lava Jato foi desencadeada na última quinta-feira (5)

Leia mais: PT vê nova fase da Lava Jato como ação para tirar brilho de festa do partido

Lava Jato: Notas mostram que Renato Duque recebeu pelo menos R$ 13 milhões

Goes, que reside no Rio de Janeiro, era considerado foragido pela PF, que não teve sucesso em detê-lo na última quinta-feira (5), quando uma nova etapa da Lava Jato foi lançada. 

Segundo o Ministério Público Federal, Goes atuava em esquema de corrupção na Petrobras usando o mesmo estratagema do doleiro Alberto Youssef e do empresário Fernando Baiano, recolhendo propina de empresas privadas para agentes da estatal e ocultando a origem dos recursos.

Relembre imagens da Operação Lava Jato:


O nome dele apareceu nas investigações a partir da delação premiada do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco e depoimento espontâneo de Cíntia Provesi Francisco, ex-funcionária da Arxo Industrial, cujos sócios foram presos, acusados de pagar propina a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras.

Com o dinheiro oriundo de pagamentos indevidos, Mário Goes é suspeito de ter comprado um avião particular, registrado em nome de sua empresa, a Riomarine Óleo e Gás. 

O esquema

A ex-funcionária da Arxo afirmou que os pagamentos de propina eram intermediados por Mário Goes. Para dar aparência de licitude aos contratos, a Arxo usava notas fiscais frias compradas de terceiros, segundo a denúncia.  Já Barusco declarou que havia um "encontro de contas" entre ele e Goes, nos quais eram entregues "mochilas com grandes valores de propina, em espécie", que variavam de R$ 300 mil a R$ 400 mil. No local, era feita a conferência de cada contrato, contabilizando as propinas pagas e as pendentes.

Na decisão que autorizou as prisões, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato, entendeu que o encarceramento do acusado é a única forma de coibir a continuidade dos pagamentos de propina, que, aparentemente, não foi estancada com as prisões de outros operadores e executivos de empreiteiras.

"Em especial, perturba este juízo a existência de provas de que Mario Goes, na intermediação de propinas, teria atuado para Pedro Barusco [ex-gerente da Petrobras] e Renato Duque [ex-diretor de Serviços] no passado e persistiria atuando, na intermediação de propinas periódicas, agora da Arxo para a Petrobras Distribuidora, de 2012 até pelo menos o final de 2014. Além disso,  tudo o que foi feito até o momento na Operação Lava Jato, com a notoriedade que a investigação e a persecução alcançaram, ainda não foi suficiente como elemento dissuasório da prática de novos crimes contra a Petrobras", disse Moro.

De acordo com o Ministério Público Federal, Gilson João Pereira e João Gualberto Pereira, sócios da Arxo, e Sergio Ambrosio Marçaneiro, diretor-financeiro, pagavam propina para obter contratos com a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Todos estão presos na Superintendência da Policia Federal em Curitiba. Os pagamentos ocorreriam em contratos com a BR Aviation, parte da Petrobras que atua no abastecimento de aeronaves. A Arxo vende tanques de combustíveis e caminhões-tanque.

Segundo o advogado Leonardo Pereima, os sócios da empresa nunca pagaram propina para a Petrobras e não tiveram contato com o ex-gerente da estatal Pedro Barusco e com o ex-diretor de Serviços Renato Duque. Para a defesa, as acusações decorrem apenas de vingança da ex-funcionária do departamento financeiro, demitida por desviar cerca de R$ 1 milhão, segundo ele.

* com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.