Cerca de 1,5 mil pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto invadiram terrenos em cidades vizinhas à capital federal

Agência Brasil

O governo do Distrito Federal (GDF) informou que se reunirá na próxima terça-feira (10) com os líderes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) para negociar a liberação de seis terrenos ocupados, desde a madrugada do último sábado (7), por pelo menos 500 famílias nas cidades de Brazlândia, Ceilândia, Planaltina, Recanto das Emas, Samambaia e Taguatinga.

Integrantes do MTST querem que terrenos sejam destinados à moradia popular
Futura Press
Integrantes do MTST querem que terrenos sejam destinados à moradia popular

Leia mais: Sem-teto fazem ocupações simultâneas no entorno de Brasília

2015 terá acirramento de lutas sociais no Brasil, afirma líder dos sem-teto

A reunião foi acordada em encontro realizado na noite de sábado (7) na sede da Administração Regional de Ceilândia, quando o movimento apresentou suas reivindicações.

De acordo com o governo, as famílias deverão permanecer nos locais ocupados até terça-feira. "Esta é uma mesa de negociação totalmente compartilhada; não há dois lados em conflito, mas um grupo que quer chegar ao consenso", disse o subsecretário de Movimentos Sociais e Participação Popular da Secretaria de Relações Institucionais e Sociais, Acilino Ribeiro.

Relembre em imagens as manifestações do MTST:


A comissão do governo para tratar do assunto também é formada por representantes da Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social, da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), da Polícia Militar, da Subsecretaria da Ordem Pública e Social e da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab).

As cidades com áreas ocupadas pelo MTST ficam a cerca de 30 quilômetros de Brasília, com exceção de Brazlândia, distante da capital 50 quilômetros.

Segundo o MTST, o número de famílias envolvidas nas ocupações checa a 1,5 mil. Os sem-teto reivindicam a destinação de terrenos da Terracap para moradia popular, a melhoria de serviços públicos e a construção de empreendimentos do Programa Minha Casa, Minha Vida para a população de baixa renda.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.