Valores foram apreendidos na Arxo Industrial, em Santa Catarina; empresa pode ter pago propina à BR Distribuidora

Agência Brasil

A Polícia Federal apreendeu R$ 3,1 milhões na nona fase da Operacão Lava Jato, deflagrada na última quinta-feira (5). A quantia foi encontrada na sede da empresa Arxo Industrial, em Santa Catarina, durante o cumprimento dos mandados de buscas e apreensões autorizados pelo juiz federal Sérgio Moro.

PF suspeita que empresa pagava propina em troca de contratos com a BR Distribuidora
Polícia Federal
PF suspeita que empresa pagava propina em troca de contratos com a BR Distribuidora

Leia mais:  PT vê nova fase da Lava Jato como ação para tirar brilho de festa do partido

Lava Jato: Notas mostram que Renato Duque recebeu pelo menos R$ 13 milhões

De acordo com balanço divulgado neste sábado (7), os agentes também encontraram dólares e euros, além de 500 relógios de luxo. Os valores foram depositados em uma conta judicial na Caixa Econômica Federal. 

Segundo o advogado dos sócios da empresa, Leonardo Pereima, os valores encontrados eram para o pagamento de funcionários e de pró-labore de um dos sócios da empresa.

Veja imagens da Operação Lava Jato:



Para o Ministério Público Federal (MPF), no entanto, Gilson João Pereira e João Gualberto Pereira, sócios da Arxo, e Sergio Ambrosio Marçaneiro, diretor-financeiro, pagavam propina para obter contratos com a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Todos estão presos na Superintendência da Policia Federal em Curitiba. 

Leia mais:  Lava Jato paira sobre Eduardo Cunha e mais 16 membros do novo Congresso

Ex-gerente da Petrobras diz que PT recebeu até US$ 200 milhões em propina

No dia 16 de janeiro, Cíntia Provesi Francisco, ex-funcionária do departamento financeiro, procurou o Ministério Público Federal voluntariamente para denunciar os executivos. Aos investigadores, ela relatou que a empresa pagava propina de 5% a 10% nos contratos com a BR Aviation, divisão da Petrobras que atua no abastecimento de aeronaves.

Segundo Pereima, os sócios da empresa nunca pagaram propina para a Petrobras e não tiveram contato com o ex-gerente da estatal Pedro Barusco e nem com o ex-diretor de Serviços Renato Duque. Para a defesa, as acusações decorrem apenas de vingança da ex-funcionária, demitida por desviar cerca de R$ 1 milhão, segundo ele.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.