Nesta quarta-feira (4), Cerveró foi atendido por uma ambulância do Samu, após apresentar quadro clínico de ansiedade com alta de pressão arterial, segundo advogados

Agência Brasil

A defesa do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, preso na Operação Lava Jato, apresentou nesta segunda-feira (4) à Justiça um pedido de autorização para que seu cliente possa iníciar um tratamento contra a depressão. Cerveró está na carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, e foi atendido nesta quarta-feira por uma ambulância do Samu, após apresentar um quadro clínico de ansiedade com alta de pressão arterial, segundo os advogados.

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Cerveró sofre de depressão desde abril de 2014
Pedro França/Agência Senado
O ex-diretor da área internacional da Petrobras Cerveró sofre de depressão desde abril de 2014

No pedido feito ao juiz federal Sérgio Moro, a defesa de Cerveró anexou um laudo assinado pela psicóloga Elizabeth Carneiro. A especialista solicita autorização para começar o tratamento dentro da prisão. 

"Declaro para os devidos fins que Nestor Cerveró é meu paciente a três anos e faz tratamento psicoterápico desde esta época para um quadro de transtorno de ansiedade. Desde o mês de abril de 2014, vem apresentando sintomas depressivos severos, necessitando assim de tratamento psicológico também para esta patologia. Apresenta-se atualmente com depressão maior, sendo extremamente danosas interrupção do tratamento psíquico", diz o laudo. 

Nestor Cerveró está na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde 14 de janeiro, em função dos desdobramentos da Operação Lava Jato. Ele foi preso sob a acusação de tentar ocultar os seus bens. 

Leia mais:
Justiça mantém prisão de Nestor Cerveró
Lava Jato: Ministério Público temia que Cerveró repetisse os passos de Pizzolato
Nestor Cerveró é preso pela PF em aeroporto do Rio de Janeiro

De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), no dia 16 de dezembro, Cerveró sacou R$ 500 mil de um fundo de previdência privada e transferiu o valor para a filha, mesmo tendo sido alertado pela gerente do banco de que perderia 20% do valor.

Em junho do ano passado, o ex-diretor da Petrobras havia transferido imóveis para seus filhos, com valores abaixo dos de mercado. Na intepretação do Ministério Público Federal, Cerveró tentou blindar seu patrimônio e, por isso, a prisão foi requerida.

Veja imagens da Operação Lava Jato:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.