Defesa de Jayme Alves de Oliveira Filho, o Careca, alega que seu cliente não tinha conhecimento do conteúdo das entregas

Agência Brasil

A defesa do policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, investigado na Operação Lava Jato, afirmou à Justiça Federal que não tinha conhecimento do conteúdo dos envelopes que entregava a mando do doleiro Alberto Youssef, nesta sexta-feira (30). Com base nas alegações, o agente pediu sua absolvição sumária ao juiz Sérgio Moro. 

O doleiro Alberto Yousseff, personagem-chave nas investigações da Lava Jato, que está preso
Jeso Carneiro/Agência Senado
O doleiro Alberto Yousseff, personagem-chave nas investigações da Lava Jato, que está preso

Em resposta à ação penal aberta contra o policial, os advogados alegam que ele não fazia parte de organização criminosa. Segundo a defesa, Careca foi contratado pelo doleiro, em 2012, para prestar serviços de segurança pessoal.

Os advogados admitiram que ele entregava documentos a pedido de Youssef, mas justificam que o agente não sabia do que se tratavam. Jayme foi preso na sétima fase da operação Lava Jato, deflagrada ano passado, e já está solto. O agente é acusado de entregar propina a políticos.

Leia mais:
Conhecido como office-boy de Youssef, Careca movimentou R$ 17 milhões em desvios
Ex-governador de Minas nega envolvimento com policial preso na Operação Lava Jato

“Admite-se que, no período trabalhado, o denunciado Jayme possa eventualmente ter entregue algum valor a mando de Youssef, assim como fez com vinhos e outros documentos", admitiu a defesa. "Porém, em todas as oportunidades tratavam-se de envelopes lacrados, dos quais o denunciado sequer possuía conhecimento do conteúdo, muito menos da quantidade de valores ou ao fim a que se destinava."

As declarações da defesa diferem do depoimento prestado pelo agente à Polícia Federal. De acordo com reportagem divulgada pelo jornal "Folha de S.Paulo" no dia 8 de janeiro, o policial afirmou que foi enviado a Belo Horizonte para entregar R$ 1 milhão a pedido de Youssef. 

Veja fotos do momento em que foi deflagrada a Operação Lava Jato:

Segundo o agente, o dinheiro foi entregue a uma pessoa que não se identificou, em 2010, em uma casa da capital mineira. Conforme o policial, o doleiro disse que o dinheiro era para o então governador de Minas Gerais Antônio Anastasia.

Em nota divulgada após a publicação da reportagem, Anastasia disse que nunca se encontrou com o policial e que não conhece Alberto Youssef.

Leia também:
Esquema da Lava Jato foi raiz de escândalos de corrupção no Brasil
Lava Jato: Ministério Público temia que Cerveró repetisse os passos de Pizzolato
Cerveró vendeu imóveis por valores 10 vezes inferiores aos de mercado

"Em primeiro lugar, registro que não conheço este cidadão. Nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma, não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef", declarou Anastasia. "Em 2010, já como governador de Minas Gerais, não tinha qualquer relação com a Petrobras, que não tinha obras no Estado, ademais do fato de eu ser governador de oposição ao governo federal."

Em petição encaminhada no último dia 13 de janeiro à Justiça Federal de Curitiba, o próprio Youssef negou que tivesse ordenado o envio de dinheiro ao senador eleito.

Por determinação do juiz Sérgio Moro, Jayme Alves foi afastado das funções de policial federal em novembro passado. Ele é réu em uma das ações penais da operação e não fez acordo de delação premiada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.