Ferreira ainda ressaltou que a pasta em sua gestão fará um diálogo mais próximo de movimentos sociais

Com discurso contrário ao domínio da indústria cultural sobre as verbas públicas de financiamento, o petista Juca Ferreira assumiu o cargo de ministro da cultura nesta segunda-feira (12). Juca disse que o ministério vai propor a destinação de recursos do pré-sal para a área cultural e que retomará no congresso as discussões sobre direito autoral e a PEC da Cultura.

Juca Ferreira quer fomentar programa Pontos de Cultura e reestruturar Funarte

Dilma busca postos estratégicos para coringas no novo governo

“A cultura brasileira não pode ficar dependente dos departamentos de marketing das grandes corporações”, disse o ministro que defende uma reformulação no acesso aos recursos da Lei Rouanet, principal mecanismo de financiamento cultural na esfera federal.

“Retorno a esse local com grande alegria, o Minc volta ser o espaço de experimentação de novos rumos”, disse o ministro que já comandou a pasta durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ferreira ainda ressaltou que a pasta em sua gestão fará um diálogo mais próximo de movimentos sociais, incluindo camponeses, estudantes, juventude e povos indígenas.

“É necessário garantir um lugar para as populações indígenas, seus costumes e modos de vida”, afirmou o ministro que rejeitou a ideia de que financiamento para movimentos populares compete com a indústria de arte no País. “Nada mais equivocado que acreditar que a cultura popular reduz o lugar da arte”, disse o ministro em seu discurso de posse.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.