Ministro assume o cargo com o desafio de manter a base unida diante da disputa para a Presidência da Câmara que coloca em lados opostos PT e PMDB

Ministro Pepe Vargas pretende manter a base unida
Agência Brasil
Ministro Pepe Vargas pretende manter a base unida

Ao assumir o cargo de ministro da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), Pepe Vargas, repetiu a orientação feita pela presidente Dilma Rousseff, logo ao fim do processo eleitoral, de estabelecer um “diálogo” com a oposição.

Pepe assume a pasta, deixada pelo ministro Ricardo Berzoini, com a função de tentar manter a unidade na base e já tem como desafio tentar manter a coalizão em meio ao processo de eleição da Câmara, onde já se desenha uma disputa polarizada entre PT e PMDB. O PT entrará na disputa com Arlindo Chinaglia (SP) e o PMDB tem como candidato o deputado Eduardo Cunha (RJ)

“Vamos dialogar com a oposição com todo respeito e facilitar o processo de coesão da nossa base”, disse o ministro durante a transmissão de posse nesta sexta-feira (2).

Leia tambémMinistros e petistas se revezam em defesa de Dilma Rousseff

“É fundamental ter uma coalisão que lhe dê sustentação e a existência de uma oposição que fiscaliza e que se apresenta para o debate”, afirmou o novo ministro.

Ao transmitir o cargo, Berzoini lembrou que foi “convocado” pela presidente Dilma Rousseff para cuidar da relação do Planalto com a Câmara em um momento em que Dilma enfrentava uma rebelião na Câmara, liderada pelo PMDB, maior partido aliado.

“Era fundamental a estabilidade da nossa base parlamentar, que é tão fundamental para a continuidade dos projetos que temos para o Brasil”, disse Berzoini que estava preparado para disputar eleições para outro mandato como deputado federal.

Com a conhecida falta de desenvoltura de Dilma na articulação política, e com a rebeldia da base aliada, a pasta passou a ser conhecida como “abacaxi” do Planalto. Ao sair, Berzoini substituiu o apelido. “É uma torta doce de abacaxi que a cada dia a gente saboreia um pedaço e constrói relações, no conflito e no confronto”, disse o ministro, que passou a responder pelo Ministério das Comunicações.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.