Cenário econômico e possibilidade de redução de orçamento estão entre as dificuldades apontadas para o segundo mandato

Agência Câmara

Os ministros, novos e reconduzidos, apresentaram durante a posse da presidente Dilma Rousseff os principais desafios de suas pastas. Eles também falaram sobre a dificuldade de trabalhar com o cenário econômico em que há possibilidade de redução de orçamento.

Leia também: 
Dilma conclui reforma ministerial com anúncio de mais 14 ministros
Presidente pede paciência e propõe pacto nacional contra corrupção durante posse

Para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, mantido no cargo, é absolutamente natural que sejam feitos cortes nos orçamentos dos ministérios. “O desafio é tentar fazer que cada centavo valha por dois ou três”, acrescentou.

Mudanças trabalhistas
O ministro do Trabalho, Manoel Dias, que segue à frente da pasta no segundo mandato de Dilma, disse que vai se reunir com as centrais sindicais para tratar das medidas provisórias que mudam as regras para pensões por morte e concessão do seguro-desemprego.

Dias ressaltou que a manutenção dos direitos dos trabalhadores é um dos pilares do governo e que eles não serão prejudicados.

No último dia 30, o Executivo editou duas medidas provisórias (664 e 665) que atingem principalmente a concessão da pensão por morte e o seguro-desemprego. A expectativa é que as medidas gerem uma economia de R$ 18 bilhões em 2015.

A partir de março, a pensão por morte só será concedida ao cônjuge que comprove no mínimo dois anos de casamento e seu valor será de 50% do benefício do segurado que morreu. No caso do seguro-desemprego, o trabalhador demitido terá que comprovar 18 meses de carteira assinada para receber o benefício contra seis meses da regra atual. Na segunda solicitação, a carência cai para 12 meses.

Agricultura
A nova ministra da Agricultura, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), afirmou que pretende ampliar a classe média rural, melhorando a renda dos produtores que hoje estão nas classes D e E. Em relação às críticas do PT à sua nomeação pela presidente Dilma Rousseff, ela disse que não se sentiu ofendida. “Nem Jesus Cristo é unanimidade”, afirmou

Kátia Abreu disse ainda que sua pasta buscará acelerar as atividades agropecuárias como autorização de importações, de abertura de frigoríficos e registro de agrotóxicos, por exemplo. "O fato de ter uma burocracia com lentidão, não significa que o cuidado é redobrado. Absolutamente. Nós queremos mais agilidade, com eficiência e qualidade", afirmou.

Saúde
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse que o programa Mais Especialidades – uma das promessas de campanha da presidente Dilma Rousseff - ainda não tem data para ser implementado. O primeiro semestre desse ano, segundo Chioro, deve ser de planejamento e pactuação com estados e municípios. “O programa vai ter uma gradualidade, escolhendo especialidades mais críticas para a população.”

Veja quem são os ministros:

Energia
O senador Eduardo Braga (PMDB), que toma posse hoje como ministro de Minas e Energia, disse que formará um grupo de trabalho, nos primeiros três meses de gestão, para buscar um equilíbrio para a formação dos preços de energia.

Em relação ao aumento nas contas de luz previsto para este mês, Braga destacou que o País tem passado por um problema climático grave, com perda de água nos reservatórios, o que obrigou o uso de termelétricas para manter o fornecimento, com custo maior.

"O maior desafio da pasta é que nós consigamos manter um sistema elétrico robusto, confiável e, ao mesmo tempo, econômico", afirmou Braga. Segundo ele, o sistema brasileiro "é o mais seguro, mas não o mais barato".

Cultura
O futuro ministro da Cultura, Juca Ferreira, afirmou que pretende recuperar programas do ministério que foram secundarizados, como o “Pontos de Cultura”, que estimula, por meio de convênios, iniciativas culturais da sociedade civil. “São manifestações tradicionais, clubes de cinema. É uma experiência importantíssima a ser recuperada, que inclusive foi exportada para muitos países”, disse o ministro.

Troca de ministério
O novo ministro da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, não quis comentar sua saída do Ministério do Esporte. “Ministério não é emprego. Você é convocado para cumprir uma tarefa, uma missão”, disse Aldo ressaltando que buscou cumprir sua função nos limites da capacidade. Aldo Rebelo conduziu o ministério durante a Copa do Mundo de 2014 e esperava continuar conduzindo-o durante as Olímpiadas no próximo ano. A bancada do PCdoB – partido de Aldo – diminuiu nas últimas eleições. Já a do PRB – partido do novo ministro, deputado George Hilton (PRB-MG) – aumentou.

Alguns ministros não quiseram conversar com a imprensa, como o ministro chefe da Casa Civil, Aloísio Mercadante. “Hoje é dia de a presidente falar e eu de ouvir”, afirmou. O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, só comentou sobre a beleza da cerimônia e disse que daria entrevista apenas a partir de segunda-feira (5) quando tomará posse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.