Salário é de R$ 7,4 mil por mês, em média; medida permitiria acomodar novo titular do Saneamento sem renúncia do atual

Braga (à esquerda) é anunciado como novo secretário de Saneamento por Alckmin
Divulgação/Governo de São Paulo - 11.12.14
Braga (à esquerda) é anunciado como novo secretário de Saneamento por Alckmin

Controlado pelo governo Alckmin (PSDB) , o Conselho de Administração da  Sabesp  – órgão máximo da companhia – propôs a inclusão de mais um integrante, dois meses após a última ampliação.

Cada conselheiro custa, em média, R$ 9,6 mil por mês aos cofres da empresa, segundo as previsões da companhia para 2014. Só o salário de cada um – descontados bônus e outros benefícios – é de R$ 7,4 mil, em média.

Mapa: De onde vem a água que sai da sua torneira?

Caso a proposta seja aprovada, o número de conselheiros pode subir dos atuais 10 para 11 (eram 9 até outubro). Isso ocorrerá se o futuro secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga, ocupar a presidência do Conselho – como propôs a Sabesp – sem que o atual titular desses dois cargos, Mauro Arce, deixe o órgão.

É uma prática do governo paulista colocar o secretário de Saneamento na presidência do Conselho de Administração da Sabesp. Mas Arce tem mandato até abril de 2016 e o fato de deixar a presidência não significa, necessariamente, que ele vá abandonar a vaga.

Procurado por meio da secretaria de Saneamento, Arce não informou se permanecerá no conselho. Braga também não foi localizado.

. Vítima da seca em SP, nordestina estoca água para não reviver trauma da infância

. Chuva forte ajuda a elevar o nível dos sistemas de abastecimento de SP

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Sabesp informou que  a indicação do 11º conselheiro decorre do fato de Braga ser o novo secretário de Saneamento e atual presidente do Conselho Mundial da Água. Em nota, a companhia argumentou ainda que seu estatuto lhe permite ter até 15 conselheiros.

Para que a ampliação se concretize, a proposta precisa ser aprovada na assembleia extraordinária convocada pelo Conselho para 29 de janeiro. O governo Alckmin tem maioria formal no órgão.

Veja imagens dos reservatórios de São Paulo atingidos pela seca

Última ampliação foi em outubro

Caso seja aprovada em janeiro, a ampliação será a segunda feita pelo conselho da Sabesp em três meses. Em outubro, a pedido do governo Alckmin, o número de conselheiros subiu de 9 para 10 para que o tucano pudesse acomodar um aliado político.

O escolhido, na ocasião, foi Sidnei Franco da Rocha que, como o iG mostrou , foi acusado de improbidade administrativa envolvendo fraudes em licitações ocorridas durante a sua gestão à frente da Prefeitura de Franca, no interior do Estado. À época, seus advogados ressaltaram não haver condenação.

Rocha foi o responsável por recuperar para o PSDB o comando da cidade, que tem 340 mil habitantes e é um dos principais pólos industriais do Estado e era governada pelo PT. O ex-prefeito ganhou as eleições de 2004 e 2008 e ainda fez seu sucessor, também tucano, em 2012.

Leia também: Alckmin escolhe acusado de improbidade para o Conselho de Administração da Sabesp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.