Processo contra Bolsonaro não será concluído, avalia Eduardo Cunha

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Na última semana, PT, PCdoB, PSB e PSOL acusaram, por meio da representação, o deputado Jair Bolsonaro de quebrar o decoro ao ofender a deputada Maria do Rosário

Agência Brasil

Lúcio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados
Jair Bolsonaro

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), candidato à presidência da Câmara dos Deputados, esclareceu nesta sexta-feira (19), em campanha no Rio de Janeiro, que a representação contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), por quebra de decoro parlamentar, não deve “ir adiante”. Ele disse que, com o fim da atual legislatura, o caso não pode ser apreciado em 2015, no novo mandato.

“[A representação] é fato desta legislatura”, disse. “Já tem jurisprudência”, completou, explicando que outros casos não puderam ser apreciados após o fim do mandato. Porém,  como líder do PMDB, Cunha aproveitou para condenar a declaração do deputado do PP-RJ.

LEIA MAIS: Bolsonaro coleciona polêmicas, insultos e representações arquivadas

Quem é Bolsonaro, que mesmo cheio de pedidos de cassação, balança mas não cai

“A história [entre Bolsonaro e a deputada Maria do Rosário (PT-RS)] tem três versões: a das partes e a verdadeira. Agora, eu sou contra qualquer tipo de agressão como [a que] foi feita por ele, na verbalização. Sou contra qualquer agressão, acho que [as relações no] Parlamento têm que se dar com respeito, educação, divergência de ideias, mas dentro da polidez e do decoro”, afirmou.

Na última semana,  PT, PCdoB, PSB e PSOL acusaram, por meio da representação, o deputado Jair Bolsonaro de quebrar o decoro ao ofender a deputada Maria do Rosário. Em pronunciamento no plenário da Câmara, Bolsonaro disse que não estuprava Maria do Rosário "porque ela não merece”. A agressão ocorreu após a deputada comentar o relatório final da Comissão Nacional da Verdade, divulgado dia 10 de dezembro.

Em breve defesa prévia, Bolsonaro afirmou que ficou ofendido com as “acusações” contra os militares. “Sou capitão do Exército”, justificou.

Os deputados no Congresso Nacional entram em recesso na próxima segunda-feira (22) e voltam às atividades em 1º de fevereiro de 2015.

Nas votações, Bolsonaro não costuma acompanhar as decisões do partido, o PP. Foto: Nilson Bastian/Câmara dos DeputadosMaria do Rosário (PT-RS) foi ofendida no Congresso por Bolsonaro. Foto: Jean-Marc Ferré/ UN PhotoEm 10 de dezembro, líderes partidários e representantes de sociedade civil apresentam representação contra Bolsonaro depois do episódio envolvendo Maria do Rosárip. Foto: Lucio Bernardo Jr. / CÂMARA dos DeputadosBolsonaro participa do 13º Fórum Legislativo Nacional de Direitos Humanos: pelo direito à memória, à verdade e à justiça. Foto: Lúcio Bernardo Jr/Câmara dos DeputadosEm fevereiro deste ano, Bolsonaro disputou a presidência da CDHM. Foto: Gustavo Lima/Câmara dos DeputadosDurante diplomação na Alerj, Bolsonaro criticou Marcelo Freixo, eleito pelo RJ. Foto: Rafael Wallace/Alerj-RJFreixo (foto) e Bolsonaro se estranharam no dia da diplomação dos deputados eleitos pelo Rio de Janeiro. Foto: Rafael Wallace/Alerj-RJFlavio, filho de Jair Bolsonaro, foi eleito deputado estadual pelo RJ. Foto: Rafael Wallace/Alerj-RJAo lado dos filhos, também políticos, Bolsonaro costuma participar de eventos ligados a temas militares. Foto: Reprodução/TwitterDefensor das causas LGBT, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ)  já foi atacado por Bolsonaro. Foto: iG São PauloPreta Gil acusou Bolsonaro de racismo. Foto: AgNewsPastor Silas Malafaia casa Bolsonaro com a noiva, Michelle, 27 anos mais nova. Foto: Raphael GomideO deputado Jair Bolsonaro diz que a cartilha do MEC é ofensiva à sociedade. Foto: Agência SenadoEm sua cerimônia de casamento, Bolsonaro caminha em direção ao altar na Mansão Rosa, acompanhado da mãe . Foto: Raphael GomideBolsonaro enxuga as lágrimas, em um momento de emoção, no casamento. Foto: Raphael GomideBolsonaro, ao lado da mulher, Michelle, e do celebrante, Silas Malafaia. Foto: Raphael GomideBolsonaro, ao lado da mãe, Olinda, a caminho do altar. Foto: Raphael GomideHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilFeliciano e Bolsonaro em mais uma reunião fechada da Comissão de Direitos Humanos. Foto: Agência BrasilPelo Facebook, 4,3 mil haviam confirmado presença num evento intitulado 'Cassem o Bolsonaro - #CassaçãodoBolsonaroJá!'. Foto: Reprodução/BBCJair Bolsonaro em sessão na Câmara dos Deputados nesta quarta, no dia seguinte à ofensa a Maria do Rosário. Foto: Gabriela Korossy/Câmara dos DeputadosHomenagem de Bolsonaro à ditadura causa tumulto na Câmara. Foto: Agência CâmaraEm fevereiro passado, Jair Bolsonaro (PP-RJ) falava sobre sua candidatura a presidência da CDHM. Foto: Luis Macedo/Câmara dos DeputadosManifestantes protestaram contra a deputado Jair Bolsonaro na presidência da Comissão de Direitos Humanos. Foto: Luis Macedo/Câmara dos DeputadosBolsonaro discute com com integrantes da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro . Foto: Tania Rego / Agencia BrasilJair Bolsonaro briga com integrantes da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro durante visita ao 1º Batalhão de Polícia do Exército. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil


Leia tudo sobre: bolsonaromaria do rosáriocongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas