Em troca de redução de pena, o doleiro confessou como funcionava o esquema de corrupção na Petrobras e revelou nomes de políticos que receberam propina

Agência Brasil

Doleiro Alberto Yousseff
Jeso Carneiro/Agência Senado
Doleiro Alberto Yousseff

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou nesta sexta-feira (19) os termos do acordo de delação premiada entre o doleiro Alberto Yousseff, Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal nas investigações da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS:  Políticos negam envolvimento em irregularidades na Petrobras

Em troca de redução de pena, o doleiro confessou como funcionava o esquema de corrupção na Petrobras e revelou nomes de políticos que receberam propina.

Com a homologação, os políticos já podem ser denunciados ao Supremo. No entanto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentá-las somente em fevereiro do ano que vem, após o recesso do Judiciário, que começa hoje.

Para ter validade, a delação premiada aguardava homologação do ministro Teori Zavascki, responsável pelos processos da operação no Supremo. Os nomes citados estão em segredo de Justiça e ainda não foram revelados oficialmente.

As informações prestadas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, por meio de delação premiada, também serão analisadas na formulação de denúncia contra os parlamentares.

A parte da investigação da Operação Lava Jato que não envolve pessoas com foro privilegiado tramita na Justiça Federal em Curitiba, onde correm 18 ações penais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.