Temer: Petrobras vive "perturbação econômica" e não há acusação contra Graça

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao defender Maria das Graças Foster, Temer disse que as denúncias que cercam a empresa estão ligadas a problemas administrativas e não com a figura da presidente da Petrobras

Reuters

O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta terça-feira (16) que a Petrobras vive um momento de "perturbação econômica" em meio a investigações e denúncias de corrupção, e disse que não vê acusação formal contra a presidente da estatal.

LEIA MAIS: Mais 9 investigados na Lava Jato se tornam réus em ação penal; restam 20

PF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado


“É natural que nesse momento, em face a todo noticiário e questões envolvidas, haja essas eventuais perturbações econômicas na Petrobras”, disse Temer a jornalistas em evento no Rio de Janeiro.

A estatal, que já foi a maior empresa do País em valor de mercado, está no centro de um escândalo de corrupção depois que investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, indicaram a cobrança de propina em contratos da empresa, envolvendo executivos das maiores empreiteiras país e partidos políticos.

As ações da estatal vêm caindo e sofreram desgaste maior após a companhia prorrogar, na sexta-feira passada, a divulgação das demonstrações contábeis não auditadas do terceiro trimestre de 2014 para até 31 de janeiro. O adiamento foi feito devido a "novos fatos" relacionados à operação Lava Jato.

Ao defender a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, Temer disse que as denúncias que cercam a empresa estão ligadas a problemas administrativas e não com a figura da presidente. O vice-presidente evitou falar sobre o futuro de Graça Foster, como é ela é chamada.

“Não vejo nenhuma acusação formal contra a presidenta Graça Foster. Uma coisa é a questão da pessoalidade nessa acusação e outra coisa é a questão administrativa que a presidenta (Dilma Rousseff) vai resolver o que é melhor para a Petrobras, mas nada envolvendo a conduta e lisura pessoal da Graça Foster”, disse.

Apesar de não ter o nome envolvido nas investigações, há pressão para a susbstituição da presidente Graça Foster e sua diretoria. Dilma, no entanto, tem resistido a fazer as trocas.

A Petrobras divulgou nesta madrugada nota em resposta a várias reportagens publicadas nos últimos dias de que Graça Foster teria sido informada de irregularidades pela funcionária Venina Fonseca várias vezes ao longo dos últimos anos.

Segundo a nota da estatal, os e-mails encaminhados por Venina em 2009 e 2011 não explicitaram irregularidades relacionadas à Refinaria do Nordeste, à área de Comunicação do Abastecimento e à área de comercialização de combustível de navio. [nL1N0U00J7]

Sem dar detalhes, Temer disse acreditar que a fase enfrentada pela Petrobras é transitória.

“Tenho absoluta convicção que a Petrobras tem uma potencialidade extraordinária que superado este momento inicial nós vamos ter a Petrobras (de novo) do tamanho que ela é”, afirmou o vice-presidente.

Sobre o envolvimento de políticos no suposto esquema de pagamento de propina, como informado em delações premiadas feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Yousseff, Temer disse apenas que a PF e o Ministério Público Federal (MPF) já estão fazendo todas as investigações necessárias.

“Vamos esperar que saia a lista (de nomes)”, afirmou.

O MPF denunciou dezenas de empresários de empreiteiras e também o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, além de Costa, cuja denúncia foi acatada pela Justiça Federal do Paraná. [nL1N0TZ299]

Leia tudo sobre: temerpetrobrasoperação lava jato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas