Dilma mobiliza equipe para fechar mapa de novo ministério

Por Luciana Lima , iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Definições aguardam últimas conversas entre Dilma e Temer; governador da Bahia, Jaques Wagner deverá despachar no Planalto e ganhar pasta turbinada por publicidade do governo

Com as últimas conversas realizadas entre interlocutores do PT e do PMDB nos últimos dias, a nova composição ministerial da presidente Dilma Rousseff começa a se desenhar para o segundo mandato.

Agência Brasil
Dilma entre seu vice, Michel Temer, e o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves

Algumas conversas ainda precisam ser feitas pela própria presidente. O novo desenho inclui trocas de titulares de pastas importantes do governo, como Previdência, Educação, Meio Ambiente, Comunicações, entre outras pastas.

Leia mais:
Dilma poderá ser recordista em indicações de ministros no Supremo
Dilma cede a pressões do PMDB e adia indicação de Cardozo ao STF

A conversa final de Dilma e Temer só deverá ocorrer na próxima quinta-feira (18), após o retorno da presidente de viagem à Argentina, onde participa da 47ª reunião do Mercosul. Dilma antecipou o compromisso para pernoitar em Porto Alegre, onde vive sua filha Paula, e seu neto, Gabriel.

A aposta é que o anúncio dos novos titulares ocorra no final desta semana ou no início da próxima.

Pendências
Até lá, o PMDB terá ainda que resolver uma equação interna. O partido quer trocar o controle do Ministério da Previdência, hoje comandado interinamente por Carlos Eduardo Gabas, pelo Ministério da Integração Nacional, controlado pelo PROS.

Entre os pretendentes ao cargo estão o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, que perdeu as eleições para o governo do Rio Grande do Norte, e o senador Eunicio Oliveira, derrotado na disputa pelo governo do Ceará.

A tendência é que Alves seja nomeado em vez de Eunicio, já que com o convite feito por Dilma à senadora Kátia Abreu, para a Agricultura, ela contemplou a bancada do partido no Senado com uma pasta antes dominada pela bancada do partido na Câmara.

Além de resolver a disputa interna, o PMDB ainda depende da aceitação, por parte do governador do Ceará, Cid Gomes, liderança mais importante do PROS, do convite feito informalmente pela presidente, para que ele ocupe a pasta da Educação.

Cid se colocou à disposição de Dilma na última terça-feira (16) para que ela o chamasse e oficializasse o convite. Interlocutores do governador cearense dizem que ele aceitará o convite caso seja oficialmente feito pela presidente. No Planalto, a ideia é que Cid na Educação abra espaço para quem o PMDB indicar para a Integração Nacional.

Caso o PMDB consiga trocar a pasta da Previdência pela Integração, o controle deverá voltar para o PT e Gabas, filiado ao PT de São Paulo, tem chances de continuar como titular por contar com a inteira confiança da presidente.

Lista do PMDB
Tirando a disputa em torno da Integração Nacional, o restante da lista do PMDB a ser entregue a Dilma já está fechada.

Além de Kátia Abreu para a Agricultura, a lista do partido inclui, para Minas e Energia, a indicação do senador Eduardo Braga, líder do governo no Senado e que também perdeu as eleições o governo do seu Estado, o Amazonas.

O partido também quer manter o ministro Moreira Franco, no comando da Secretaria de Aviação Civil. A pasta do Turismo, de acordo com os peemedebistas, continuará sob a indicação do presidente do Senado, Renan Calheiros, que poderá manter no cargo o atual ministro Vinícius Lages.

O PMDB pretende ainda recuperar o controle da Secretaria dos Portos, hoje nas mãos de Cesar Borges, brigado com seu próprio partido, o PR. Para a pasta, o nome apresentado pela bancada da Câmara ao Planalto é o do deputado federal Eliseu Padilha (RS).

Veja a trajetória da presidente Dilma Rousseff:

Dilma Vana Rousseff nasceu no dia 14 de dezembro de 1947 em Belo Horizonte, em Minas Gerais. Foto: Facebook/Dilma RousseffDilma é filha do empresário e poeta búlgaro Pétar Russév e da professora Dilma Jane Silva. Foto: Facebook/Dilma RousseffDe família de classe média, Dilma Rousseff estudou no tradicional Colégio Sion e ficou até a juventude em Minas Gerais. Foto: ReproduçãoDilma (segunda à esquerda) ao lado de amigas em baile de debutante, antes de começar a militância na política. Foto: ArquivoEm 1970, Dilma, que era militante desde a juventude, foi presa em São Paulo e torturada. Ela foi condenada a seis anos e um mês, mas foi solta em 1972. Foto: ArquivoDilma começou a militância ainda nos tempos de escola, na década de 60. Chegou a viver na clandestinidade, teve que deixar a faculdade e acabou presa na ditadura. Foto: ReproduçãoDilma começou na carreira política em 1975, na Fundação de Estatística e Economia em Porto Alegre e teve vários cargos no governo gaúcho. Foto: ReproduçãoDilma Rousseff foi nomeada ministra de Minas e Energia no governo do presidente Lula, em 2003. Foto: Agência BrasilDilma nos tempos de ministra da Casa Civil. Petista assumiu a vaga de José Dirceu na pasta no governo de Lula em 2005. Foto: ArquivoDilma no casamento de Paula, sua filha única, da união com Carlos Araújo, em 2008. Lula acompanhou a então ministra na cerimônia. Foto: ReproduçãoDilma, Lula e o ministro Edson Lobão (ao fundo) em plataforma durante extração do 1º óleo da camada pré-sal, que começou a ser explorado na sua gestão. Foto: Agência BrasilMinistra Dilma Rousseff, o presidente do Senado, José Sarney, e o presidente Lula na cerimônia de apresentação do marco regulatório do pré-sal, em 2009. Foto: Agência BrasilAinda na época de ministra, Dilma Roussef assiste ao desfile do bloco de carnaval Galo da Madrugada, no Recife. Foto: Agência BrasilEm 2009, Dilma enfrentou um câncer linfático. Ela teve que usar peruca por alguns meses e foi considerada curada em setembro daquele ano. Foto: Agência BrasilDilma posa com o neto Gabriel. O herdeiro nasceu em setembro de 2010. Foto: DivulgaçãoDilma durante a campanha nas eleições presidenciais de 2010. Ela venceu José Serra no segundo turno. Foto: Roberto Stuckert FilhoLula começou o tratamento contra um câncer na laringe em outubro de 2011 e recebeu a visita de Dilma no hospital. Foto: Instituto LulaAo lado do vice Michel Temer, Dilma Rousseff sobe a rampa do Palácio do Planalto no dia da sua posse como presidente em janeiro de 2011. Foto: Ricardo Stuckert FilhoLula passa a faixa de Presidente da República para Dilma em janeiro de 2011 no Palácio no Planalto. Foto: ArquivoCom Lula, PT realiza convenção que homologou a candidatura de Dilma em junho deste ano. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto LulaEleitores se apertam para chegar perto de Dilma Rousseff durante camapnha da petista em 2014. Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Dilma teve momentos de descontração durante a campanha e até arriscou passos de funk. Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Lula fez campanha ao lado de Dilma Rousseff em caminhadas e carreatas na eleições 2014. Foto: Ricardo Stuckert/PRNa reta final, Dilma fala da defesa das mulheres e usa faixa 'Diga não a violência contra a mulher'. Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Bebendo chimarrão, Dilma Rousseff exibe comprovante de votação do segundo turno (26/10). Foto: Felipe Dana/ APDilma Rousseff é reeleita presidente da República e comemora em Brasília (26/10). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIADilma recebe carinho de Lula depois de vitória nas eleições presidenciais 2014 (26/10). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA

Lista petista
Além disso, a possível ida de Cid para a Educação é a única hipótese considerada pelo PT para que o partido abra mão da pasta, hoje nas mãos de Henrique Paim. Se isso não ocorrer, o PT trabalha com duas possibilidades: manter Paim ou indicar o mineiro Reginaldo Lopes, deputado reeleito mais votado em Minas, para o ministério.

O PT também já definiu a posição que Jaques Wagner deverá ocupar no segundo mandato de Dilma. O governador baiano deverá comandar o Ministério das Comunicações no lugar de Paulo Bernardo, que está de saída do governo. A pasta será turbinada com o orçamento de publicidade da Presidência da República, hoje sobre o controle da Secretaria de Comunicação do Planalto.

O atual titular da Secom, Thomas Traumann, segundo interlocutores, é um dos nomes cotados pela presidente para a Autoridade Pública Olímpica (APO), que tem a função de representar o governo no consórcio formado com o objetivo de coordenar a realização das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Além disso, o partido da presidente deverá continuar com o Aloizio Mercadante, na Casa Civil; Ricardo Berzoini, na Secretaria de Relações Institucionais (SRI); José Eduardo Cardoso, no Ministério da Justiça; Artur Chioro, na Saúde, e Luiza Bairros, na Secretaria de Igualdade Racial.

Algumas mudanças já foram pedidas por correntes do partido. Uma delas é no Ministério do Meio Ambiente, hoje sob o comando de Izabela Teixeira, que já comunicou sua intenção de sair. A pasta foi pleiteada pela corrente interna Mensagem ao Partido, que indicou o nome do deputado federal Alessandro Molon (RJ) para ocupar a pastas. Molon é da mesma corrente de Cardozo, no entanto, a manutenção do atual ministro da Justiça é considerada pela tendência como da cota pessoal deDilma.

A indicação de Molon ainda agrada o PT do Rio que tem reclamado de não ter nenhuma pasta. O partido no Rio avalia que após a vitória de Dilma no estado, mereceria uma representação no segundo mandato.

Uma transferência já dada como certa pelo partido é a de Miguel Rossetto, do Ministério do Desenvolvimento Agrário para a Secretaria Geral da Presidência da República. Para o lugar de Rossetto, o nome mais cotado é o do atual diretor do Incra, Carlos Guedes de Guedes.

O PT também conta que manterá o Ministério da Cultura sob seu domínio. No entanto ainda há indefinição sobre o nome. Dois nomes do partido são cotados: o da atual ministra de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, ou o do ex-ministro Juca Ferreira. No entanto, o partido conta com a possibilidade de Dilma indicar nomes reconhecidos no meio cultural. Entre os mais cogitados estão o do escritor Fernando Morais, que mobilizou a classe artística durante a campanha, e do cantor Chico Cesar.

Leia também:
Demora de Dilma em anunciar ministério provoca incômodo no governo
Governistas apostam em novo ministério para se reaproximar de Dilma
Com promessa de nova equipe, Dilma abre temporada de caça aos ministros

Equação
Outra equação a ser fechada é para a área de Direitos Humanos. Para o lugar de Ideli, o partido ainda aguarda uma definição de Dilma. Uma das hipóteses mais comentadas é a de transferir para a pasta a atual ministra da Secretaria de Mulheres, Eleonora Menicucci, amiga da presidente desde a época da resistência ao regime autoritário.

Há no PT ainda um grupo defendendo a volta da deputada federal Maria do Rosário (RS) para a pasta, principalmente após as ofensas sofridas por ela por parte do deputado Jair Bolsonaro.

Aliados
Já o Ministério dos Transportes deverá continuar sob o comando do PR. De acordo com interlocutores do Planalto, o presidente do PSD e ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, deverá também ser confirmado como ministro das Cidades. O PSD ainda manterá no novo governo de Dilma o ministro Guilherme Afif Domingos, na Secretaria de Micro e Pequena Empresa.

Leia tudo sobre: dilma rousseffptmichel temergilberto kassab

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas