Câmara pede proteção policial para autora de denúncias de corrupção na Petrobras

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com matéria do "Valor Econômico", ex-gerente da estatal Venina Velosa da Fonseca tem sido ameaçada de morte

Agência Brasil

A Câmara dos Deputados pediu, nesta sexta-feira (12), ao Ministério da Justiça proteção da Polícia Federal para a ex-gerente da Petrobras Venina Velosa da Fonseca. Segundo notícia divulgada pelo jornal “Valor Econômico”, ela teria alertado a direção da estatal sobre um esquema de corrupção na empresa e, em função disso, passado a ser perseguida, ameaçada de morte, transferida para um escritório da petrolífera em Cingapura, na Ásia, e, depois, afastada de suas funções.

Reuters/Sergio Moraes
Sede da Petrobras, no Rio de Janeiro: empresa afunda a cada dia em mais denúncias

O pedido de proteção policial foi feito pelo líder da minoria no Congresso, deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), ao presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), em função da publicação da matéria com as denúncias, e-mails e relatórios de alerta que teriam sido feitos pela ex-gerente.

Ao receber a solicitação, o secretário-geral da Mesa Diretora da Câmara, Mozart Vianna, comunicou o fato ao presidente em exercício da Casa, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), que o orientou a encaminhar ofício ao chefe de gabinete do Ministério da Justiça, solicitando a proteção policial para a geóloga e ex-gerente executiva da Diretoria de Refino e Abastecimento da Petrobras, Venina Velosa da Fonseca, o que foi feito por Vianna.

Leia mais:
Ministério Público denuncia 36 pessoas investigadas na Operação Lava Jato

"Em face da contundência dos fatos, solicitamos a Vossa Excelência que envide todos os esforços necessários - em nome da Câmara dos Deputados - junto ao Sr. Ministro de Estado da Justiça, com vistas a que sejam adotadas as providências cabíveis para assegurar a proteção desta cidadã e sua família, vez que ela - de forma corajosa e antes mesmo da Operação Lava Jato da Polícia Federal se tornar pública - já havia se posicionado no sentido de denunciar os graves casos de corrupção instalados na Petrobras", afirmou o líder Ronaldo Caiado.

Leia também:
Lava Jato: juiz federal aceita denuncia contra nove dos acusados de desvios
Réus da Lava Jato questionam escutas da PF e alegam falhas da Procuradoria
Procurador Rodrigo Janot confirma que vai denunciar executivos na Lava Jato

Em nota de esclarecimento, a Petrobras informou que instaurou comissões internas em 2008 e 2009 para “averiguar indícios de irregularidades em contratos e pagamentos efetuados pela gerência de Comunicação do Abastecimento”. E acrescenta: “O ex-gerente da área foi demitido por justa causa em 03 de abril de 2009, por desrespeito aos procedimentos de contratação da companhia. Porém, a demissão não foi efetivada naquela ocasião porque seu contrato de trabalho estava suspenso, em virtude de afastamento por licença médica, vindo a ocorrer em 2013. O resultado das análises foi encaminhado às autoridades competentes”.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas