Apresentada pelo deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), ação tenta limitar despesas correntes; a reunião acontecerá às 17h

Agência Câmara

O Congresso vai se reunir nesta terça-feira (9) às 17h para votar a emenda 69 ao Projeto de Lei (PLN) 36/14, que desobrigou o governo de cumprir a meta de R$ 116 bilhões de superávit primário fixada para 2014.

Dia 3: Congresso conclui votação de vetos e pode analisar projeto de superavit

congresso nacional tenta votar meta fiscal - fim do superavit (3/12)
Edilson Rodrigues/Agência Senado
congresso nacional tenta votar meta fiscal - fim do superavit (3/12)

Debate: Aécio desafia governo a cumprir promessa de respeitar o superavit

Apresentada pelo deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), a emenda tenta limitar as despesas correntes discricionárias (aquelas que o governo pode decidir se executa ou não) ao que foi executado nesse quesito no ano anterior. O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) classificou o destaque para a votação da emenda 69 "uma vitória".

"Foi prova da força da oposição, que está fortemente conectada com a opinião pública. Nós usaremos todos os recursos regimentais para aprová-la", afirmou.

Mas entre os próprios senadores da oposição há quem duvide da eficácia da medida. "A oposição vai tentar aprovar o destaque, mas o principal já foi aprovado e era o que queríamos evitar", disse o líder do DEM, José Agripino (RN).

Na base do governo, há quem também minimize a importância da emenda. O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que não há mais nada que a oposição possa fazer. Ele acredita que a sessão do Congresso não deve se estender por mais de duas horas, já que apenas um tema será votado.

Veja fotos dos protestos durante votação da meta fiscal

Pauta
O presidente do Senado, Renan Calheiros, que preside a Mesa do Congresso, disse que a votação desta terça deve ser limitada ao destaque da emenda 69, que não foi votado na madrugada de quinta-feira (4) por falta de quórum.

Outros 31 projetos estão na pauta do Congresso - a maioria visa a abertura do atual Orçamento Fiscal para conceder créditos suplementares (que aumentam o aporte já existente) ou especiais (novas despesas) para a União em cerca de R$ 2,2 bilhões.

Além desses, há quatro projetos que remanejam ou aplicam recursos em empresas estatais, alterando o Orçamento de Investimentos em cerca de R$ 4,6 bilhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.