Aécio desafia governo a cumprir promessa de respeitar o superavit

Por Agência Câmara | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Senador mineiro criticou a presidente Dilma por ela querer alterar a meta fiscal, após promessa de campanha

Agência Câmara

PSDB/ DIVULGACAO
Aécio Neves protestou contra governo federal na votação de mudanças na Lei do Orçamento

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado na disputa presidencial contra a presidente Dilma Rousseff em outubro, criticou sua adversária e o governo por terem prometido, durante a campanha, cumprir a meta de superavit, e agora quererem alterá-la para não serem punidos por crime de responsabilidade.

Entenda o que está em jogo no decreto sobre a mudança nas regras da meta fiscal

Congresso faz sessão com galerias fechadas para votar mudança na meta fiscal

Após tumulto, Congresso faz nova tentativa de votar mudança na meta fiscal; veja

Aécio disse que a presidente Dilma afirmou que não havia problemas nas contas públicas, e prometeu em mais de uma oportunidade que seria possível cumprir a meta de superavit.

Veja fotos dos protestos ocorridos no Congresso na terça e quarta-feira:

Lobão ganha apoio dos parlamentares de oposição para participar da sessão que discute as mudanças na meta fiscal. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosO cantor Lobão é seguido por manifestantes enquanto tentar entrar no Congresso. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosManifestantes se concentram em frente à porta principal do Congresso na tentativa de seguir para as galerias. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosManifestantes tentam entrar no Congresso para acompanhar discussões sobre novas regras para a meta fiscal. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosRoméro Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL)  acompanham a sessão que discute mudanças na meta fiscal. Foto: Roméro Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL) Ronaldo Caiado (DEM-GO) participou das discussões no Congresso durante sessão sobre as novas regras para a meta fiscal. Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos DeputadosMendonça Filho (DEM-PE) defendeu a entrada do cantor Lobão nas galerias. Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos DeputadosO cantor Lobão teve o apoio da oposição para participar nas galerias da sessão que discute mudanças na meta fiscal. Foto: Reprodução/TwitterLobão foi ao Congresso para participar da sessão que deve votar mudanças nas regras da meta fiscal. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosSeguranças partiram para cima dos manifestantes que protestavam nas galerias do Congresso durante votação das mudanças das regras da meta fiscal. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaA senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) foi chamada de vagabunda durante protestos nas galerias do Congresso (2 de dezembro). Foto: Marcos Oliveira/Agência SenadoCongressistas discutem se a sessão sobre as mudanças na meta fiscal deve continuar depois da confusão. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaRenan Calheiros, presidente do Congresso, adiou em um dia a votação do projeto de alteração das regras da meta fiscal depois da confusão nas galerias. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaManifestante passa mal e desmaia durante votação que prevê a mudança na regra da meta fiscal. Foto: Câmara dos Deputados/Viola Jr.Manifestantes gritaram contra parlamentares do PT e da base aliada durante o protesto no Congresso. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaGrupos de oposição ao governo enfrentaram seguranças no Congresso durante votação das mudanças nas regras da meta fiscal. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaRenan Calheiros teve de mudar a data da sessão que votará as mudanças nas regras da meta fiscal depois que manifestantes gritaram e xingaram nas galerias. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaManifestantes interromperam a sessão que votaria as mudanças na meta fiscal do governo. Foto: Câmara dos Deputados

“Não foi dado à população durante a eleição a oportunidade de conhecer o que estava acontecendo nas contas públicas”, disse. E, sob vaias dos deputados governistas, ele concluiu seu discurso dizendo que o governo feriu de morte um dos pilares da política econômica brasileira, a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Como há quórum de deputados e senadores, a votação deve ser iniciada em seguida, com um requerimento para encerrar a fase de discussão dos vetos. Há dois vetos presidenciais trancando a pauta de votações do Congresso. Eles precisam ser votados antes da proposta que modifica as regras do superavit das contas públicas e permite ao governo uma meta menor.

Veja a votação ao vivo 


Leia tudo sobre: congressosuperavitmeta fiscalAécio Neves

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas