Esquema como o da Petrobras ocorre em todos os setores no País, diz ex-diretor

Por iG São Paulo * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Paulo Roberto Costa reafirmou em acareação com Nestor Cerveró que declarações em delação premiada são verdadeiras

"O que acontece na Petrobras acontece no Brasil inteiro, nas rodovias, ferrovias, portos e aeroportos". A declaração foi feita por Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, nesta terça-feira (2), em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito(CPMI) que investiga esquema de propina na empresa. Ele foi um dos protagonistas da sessão que o colocou frente a frente a Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da estatal entre 2003 e 2008, a quem acusa de ter conhecimento dos desvios.

Jefferson Rudy/Agência Senado
Paulo Roberto Costa – sentado, de barba branca – observa Nestor Cerveró durante acareação

Preso na Operação Lava Jato por envolvimento no caso, Costa prestou dezenas de depoimentos ao longo de duas semanas de delação premiada, nos quais denunciou um esquema de propina nas diretorias da estatal que teria beneficiado partidos políticos com 3% do valor dos contratos com empreiteiras. Na ocasião, Cerveró chefiava uma das diretorias citadas – mas ele voltou a rechaçar ter conhecimento de quaisquer desvios em sua gestão.

Leia mais:
Ex-diretores da Petrobras são colocados frente a frente em CPMI
Cerveró reafirma em acareação que Pasadena foi bom negócio para Petrobras

"Tudo que eu falei na delação, que eu não posso abrir aqui, eu confirmo. A delação é um instrumento sério e não pode ser usado como artifício de mentira”, ressaltou Costa ao ser indagado por parlamentares sobre suas denúncias, nesta terça. Ele lembrou que os detalhes de sua delação já foram passados ao Ministério Público, à Polícia Federal e ao juiz federal Sérgio Moro: "Vários fatos foram apresentados, e os que não foram apresentados eu indiquei quem poderia falar sobre os fatos".

O ex-diretor da área de abastecimento da empresa também afirmou estar "extremamente arrependido" por ter entrado na diretoria da empresa em 2004 por meio de uma indicação política. Costa disse que só aceitou fazer a delação premiada do caso após insistência de sua família: "Foi em respeito e amor a ela".

*Com Agência Câmara

Os ex-diretores da Petrobras frente a frente no Senado Federal, na tarde desta terça-feira, na CPMI que investiga a estatal. Foto: Jefferson Rudy/Agência SenadoO ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa durante a acareação desta terça. Foto: Jefferson Rudy/Agência SenadoO ex-diretor da área internacional da estatal Nestor Cerveró durante acareação no Senado, nesta terça-feira. Foto: Pedro França/Agência SenadoOs ex-diretores da Petrobras frente a frente no Senado Federal, na tarde desta terça-feira. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Frente a frente
Marcada por discordâncias entre os depoentes, que mantiveram os discursos já conhecidos a respeito dos desvios na empresa – Costa ratificando suas denúncias e Cerveró as rechaçando –, a sessão de acareação foi encerrada por volta das 18h pelo presidente Gim Argello sob a justificativa de não haver "amparo regimental para a continuidade enquanto estiver em curso a ordem do dia no Plenário do Senado".

Após o anúncio, os legisladores presentes protestaram. "Nunca tivemos encerramento por esse motivo. É um crime interromper esta sessão", lamentou o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), entre gritos de colegas.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas