Sergio Moro, de 42 anos, especialista em lavagem de dinheiro, é apontado como o homem certo para a tarefa

Em um país com grandes casos legais que muitas vezes se arrastam por mais de uma década e abruptamente se desmoronam em tecnicidades, o homem que lidera o inquérito da operação Lava Jato, que envolve a Petrobras, é descrito por aliados e até mesmo rivais como a pessoa certa para a tarefa.

Meticuloso, formal e reservado, o juiz federal Sérgio Moro tem atuado com sucesso em notórios casos de lavagem de dinheiro por 11 anos, e escreveu um livro sobre o assunto após estudar nos Estados Unidos.

Leia também: Entenda a Operação Lava Jato

Leia também: Empreiteiras fecharam contratos de fachada de R$ 67 milhões com Youssef

Moro, de 42 anos, está agora avançando com um caso que já resultou em dezenas de prisões de executivos de grandes empresas de construção pesada e de petróleo, que ameaça abalar a economia e tornou-se a maior crise até agora enfrentada pela presidente Dilma Rousseff, que presidiu o Conselho de Administração da Petrobras de 2003 a 2010.

A investigação vai se aprofundar ainda mais nos próximos meses, disseram promotores que trabalham no caso, e pode ainda envolver alguns bancos nacionais, outras companhias e políticos, inclusive do PT.

A investigação apontou sobrepreço nos contratos da Petrobras.

Agentes da Polícia Federal fazem busca e apreensão no gabinete do Senador Delcídio do Amaral (PT-MT) nesta quarta-feira (25). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 25.11.15Agentes da Polícia Federal fazem busca e apreensão no gabinete do Senador Delcídio do Amaral (PT-MT), nesta quarta-feira (25). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 25.11.15Diogo Ferreira Rodrigues, chefe de gabinete do senador Delcidio Amaral, chega à Superintendência da Polícia Federal. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 25.11.15Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência SenadoForça-tarefa da Operação Lava Jato concedem entrevista coletiva em Curitiba (PR) após a 29ª fase, Repescagem, que prendeu o ex-tesoureiro do PP João Cláudio Genu. Foto: Geraldo Bubniak / AGB / Estadão ConteúdoDeflagrada no dia 23 de maio, a Operação Repescagem recebeu esse nome por ter como principal investigado João Cláudio Genu, que já foi condenado no escândalo do Mensalão. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press/ Estadão Conteúdo - 24.05.16A Operação Lava Jato da Polícia Federal investiga novos desvios de verbas do esquema de corrupção formado por funcionários da Petrobras, empresas e partidos políticos. Foto: Felipe Rau / Estadão conteúdoA 30ª fase da Operação Lava Jato apura pagamentos de propina para políticos através de empresas fornecedoras da estatal Petrobras. Foto: Felipe Rau / Estadão conteúdoA Polícia Federal cumpriu mais de 30 mandatos na 29ª e na 30ª fase da Operação Lava Jato, entre prisões temporárias e preventivas, condução coercitiva e busca e apreensão. Foto: Geraldo Bubniak / AGB / Estadão Conteúdo


Promotores dizem que os recursos, que alguns calculam podem chegar a US$ 8 bilhões, foram direcionados em parte para para partidos políticos, de acordo com as denúncias. A Petrobras não nega nem confirma as alegações, mas afirmou que iniciou uma investigação interna.

Em um caso que envolve a estatal com US$ 68 bilhões em ativos e importantes políticos e executivos, dezenas de advogados estão esperando que Moro cometa um deslize.

Mas Moro, um leitor voraz que às vezes vai de bicicleta ao trabalho, fez cursos na escola de direito de Harvard e ensina legislação criminal às sextas-feiras, não deu muitos sinais de que pode escorregar.

“Ele torna difícil o trabalho dos advogados aqui”, admitiu Antonio Figueiredo Basto, que representa um dos principais réus no caso. Ele chamou Moro de “correto, rigoroso e firme” após um depoimento esta semana em Curitiba.

Lava Jato

No escândalo da Petrobras, a Polícia Federal e promotores do Ministério Público juntam as provas, ao passo que Moro toma as principais decisões sobre quem prender ou como conduzir os testemunhos.

Ele foi alvo de críticas, especialmente por representantes do PT, que reclamaram que o vazamento de declarações de testemunhas durante a campanha presidencial deste ano aparentemente ocorreu para prejudicar a campanha de reeleição da presidente Dilma. Moro negou ser o responsável por vazamentos impróprios de informações.

Operador do PMDB saiu do Brasil duas vezes após denúncias de Paulo Roberto Costa

Quando questionado pela Reuters sobre a investigação da operação Lava Jato, Moro mostrou ser discreto, respondendo via email que “infelizmente" ele não poderia comentar sobre o caso. “Espero que você entenda”, acrescentou.

Seu currículo inclui uma investigação que ele supervisionou de 2003 a 2007 e que ainda é o maior caso de lavagem de dinheiro do Brasil, o do Banestado, envolvendo US$ 28 bilhões, e que resultou em 97 condenações.

A experiência levou Moro “a ser ainda mais diligente, mais cuidadoso” para que seu trabalho seja mantido nas cortes mais altas, disse Anderson Furlan, um juiz que fez faculdade com Moro e o conhece há anos.

Itaú bloqueia contas de cinco investigados na Lava Jato

No caso da Petrobras, Moro recebeu elogios por duas importantes decisões táticas.

A primeira, rara no Brasil, foi permitir a delação premiada.

A promessa de penas reduzidas levou o doleiro Alberto Yousseff, tido como o operador do esquema de lavagem de dinheiro, e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto da Costa a darem os nomes de outros indivíduos e companhias envolvidos no esquema.

Os depoimentos de Yousef e Costa levaram a grandes avanços nas investigações, que resultaram na prisão, na semana passada, de outro ex-diretor da Petrobras e executivos de algumas das principais empreiteiras do Brasil.

O segundo movimento tático de Moro foi perseguir executivos de companhias privadas e de atravessadores primeiro, acumulando provas antes de ir atrás dos políticos envolvidos.

O risco é que se e quando os políticos forem formalmente citados na investigação, Moro pode perder controle do caso, considerando o mecanismo de foro privilegiado que levaria o caso para o Supremo Tribunal Federal.

Por isso Moro recomendou que Youssef, Costa e outras testemunhas não citem nomes de políticos por enquanto em seus depoimentos, de acordo com Furlan e outros assessores.

No entanto, promotores dizem que vão perseguir o rastro do dinheiro no caso, não importa quem esteja envolvido.

“Este esquema não é restrito à Petrobras”, disse Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos seis principais promotores do Ministério Público no caso.

*Com agências