PSDB entra com representações contra presidente da Petrobras

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líder do partido na Câmara dos Deputados solicita afastamento imediato de Graça Foster da presidência da estatal

Agência Brasil

O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy (BA), apresentou, no final da tarde desta quinta-feira (20), duas representações contra a presidenta da Petrobras, Graça Foster.

Em uma delas, dirigida ao Ministério Público junto ao Tribunal da Contas da União (TCU), ele solicita o afastamento imediato de Foster do cargo, alegando que ela mentiu quando prestou depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras. “Ela perdeu a autoridade moral”, justificou.

Alan Sampaio / iG Brasília
Graça Foster: tucanos pedem seu afastamento imediato da presidência da estatal

Leia mais:
Juiz autoriza compartilhamento de dados com órgãos de controle
No G20, Dilma diz que Lava Jato mudará Brasil
CGU vai instaurar processo contra empresas investigadas na Operação Lava Jato
Itaú bloqueia contas de cinco investigados na Lava Jato

Na outra representação, protocolada na Procuradoria da República do Distrito Federal, o deputado baiano pede que seja analisada a possibilidade de instauração de inquérito criminal para investigar a prática dos crimes de falso testemunho e prevaricação por Graça Foster. Segundo Imbassahy, os crimes seriam por Graça ter mentido à CPMI e não ter dado o encaminhamento exigido às denúncias, que depois confirmou ter recebido.

De acordo com Imbassahy, a presidenta da Petrobras caiu em contradição recentemente, desmentindo seu próprio depoimento ao admitir, em entrevista nesta semana, que teve conhecimento da denúncia de que a SBM Offshore subornou servidores e ex-empregados da estatal e que, por isso, a empresa holandesa estava proibida de firmar novos contratos. O parlamentar tucano disse que a declaração de Graça Foster vai de encontro à resposta que ela deu na CPMI da Petrobras, em junho.

Nas representações, o líder do PSDB diz que a executiva pode ter deixado de apurar os fatos para atender a sentimento pessoal e, “portanto, prevaricou”. Para ele, fica claro que Graça Foster mentiu ou ocultou informações à CPMI; usou seu cargo para dificultar a investigação e transferiu imóveis a parentes após saber das denúncias. Por isso, Imbassahy pede o afastamento imediato dela do cargo e a instauração de inquérito criminal por falso testemunho e prevaricação.

Leia tudo sobre: psdboperação lava jatopetrobrasantônio imbassahycpmi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas