Petrobras diz que denúncias de ex-diretor podem impactar balanço

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Declaração foi feita por meio de anúncio publicado em jornais horas antes da publicação do balanço do terceiro trimestre

Reuters

A Petrobras informou nesta segunda-feira (17) que as recentes denúncias de corrupção têm potencial para impactar as demonstrações contábeis da empresa. O anúncio foi feito horas antes de uma conferência para falar sobre o controverso balanço do terceiro trimestre.

Presidente: No G20, Dilma diz que Lava Jato mudará Brasil

Prisões: Justiça nega habeas corpus para 11 investigados da Operação Lava Jato

Blog do Kennedy: Lava Jato aperta cerco contra PT, PMDB e empreiteiras

"O ex-diretor de Abastecimento da companhia, Paulo Roberto Costa [...] fez declarações que, se verdadeiras, podem impactar potencialmente as demonstrações contábeis da companhia", informou a Petrobras em anúncio publicado em jornais nesta segunda-feira.

Costa prestou depoimento com delação premiada à Polícia Federal e à Justiça em que detalhou suposto esquema de corrupção e desvio de verbas em contratos da estatal.

Diversos analistas já apontam riscos financeiros crescentes com o aprofundamento das investigações da operação Lava Jato, da Polícia Federal, incluindo eventual necessidade de baixas contábeis envolvendo projetos com suspeitas de corrupção, o que implicaria em redução de pagamento de dividendos.

Também nesta segunda, a Petrobras informou que sua produção de petróleo no Brasil subiu 9% no terceiro trimestre ante igual período do ano passado, a 2,09 milhões de barris por dia, segundo comunicado.

Às 11 horas desta segunda, haverá uma teleconferência para analistas e investidores seguida de coletiva de imprensa, na qual executivos da companhia comentarão os resultados operacionais e informações sobre o adiamento da divulgação das demonstrações contábeis.

Segundo a Petrobras, foram conectados 15 novos poços produtores no terceiro trimestre, estimando a conexão de outros 16 no último trimestre do ano. Se cumprida, a meta fará a companhia fechar o ano com 62 interligações, ante 34 no ano passado.

A companhia afirmou que a produção de gás natural alcançou 441 mil barris por dia entre julho e setembro.

A produção de derivados no país atingiu 2,204 milhões de barris por dia no mesmo período, alta de 4% comparação anual.

Segundo a companhia, a Refinaria do Nordeste (Rnest), também conhecida como Abreu e Lima, já está operando. O primeiro dos dois trens de refino da unidade está 96%, segundo o comunicado.

"Vários sistemas e unidades já entraram em operação, obedecendo ao sequenciamento planejado de partida da refinaria", disse a Petrobras.

A empresa não forneceu novos detalhes sobre a publicação do seu balanço trimestral, se limitando a dizer que "o crescimento sustentável da produção de petróleo, gás natural e derivados é uma realidade na Petrobras e decorre do compromisso da força de trabalho da companhia, incessante na busca pelo aumento da eficiência, da produtividade e da disciplina de capital".

Na semana passada, a estatal informou que esperava divulgar até o dia 12 de dezembro uma versão de suas demonstrações contábeis não revisadas pelos auditores externos, não fazendo previsões para a divulgação do resultado trimestral com o relatório de revisão dos auditores externos.

Caso não consiga apresentar os dados até o fim do ano, a empresa pode incorrer na violação dos termos de emissão de seus títulos no exterior.

Segundo exigências das emissões de dívida da estatal com vencimentos entre 2016 e 2043, a empresa tem que apresentar seu resultado até 90 dias depois do final de cada trimestre.


Leia tudo sobre: BRAZILENERGIAPETROBRASTRIMESTRE

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas