PF tem ordem de prisão de dirigentes de maiores empreiteiras do país. Veja lista

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Até o momento, foram presas 18 pessoas na Operação Lava Jato, entre elas, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque

Agência Brasil

Entre os suspeitos de participação no esquema criminoso de superfaturamento de contratos da Petrobras, para pagamento de propina a parlamentares e partidos políticos, que tiveram a prisão preventiva ou temporária expedida hoje (14) na sétima fase a Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), 20 são das maiores empreiteiras no país e dois subordinados ao doleiro Alberto Yousseff, preso desde março.

Até o momento, foram presas 18 pessoas, entre elas, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Foram cumpridos seis mandatos de condução coercitiva e os investigados não localizados tiveram os nomes incluídos no sistema de procurados da PF.

Os agentes apreenderam registros e livros contábeis, recibos, agendas, ordens de pagamento e documentos relacionamentos à manutenção e movimentação de contas no Brasil e no exterior. Foram apreendidos também HDs, laptops, pen drives, smartphones; agendas manuscritas e eletrônicas dos investigados.

Estão sob guarda a polícia arquivos eletrônicos com a contabilidade em meio digital das empreiteiras e documentos relacionados com a contratação das empresas de fachada investigadas, especialmente MO Consultoria, GDF Investimentos, RCI Software, Empreiteira Rigidez.

Veja a lista de pessoas contra as quais há mandados de prisão:

Prisão preventiva

- Eduardo Hermelino Leite, diretor vice-presidente da Camargo Corrêa S.A.;

- José Ricardo Nogueira Breghiroll, funcionário da Construtora OAS;

- Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da Área Internacional da Construtora OAS S.A;

- Sérgio Cunha Mendes, diretor vice-presidente executivo da Mendes Júnior Trading Engenharia S/A;

- Gerson de Mello Almada, vice-presidente da Engevix Engenharia S.A.;

- Erton Medeiros Fonseca; diretor-presidente da Divisão de Engenharia Industrial da Galvão Engenharia S.A..

Mandado de prisão temporária (5 dias)

- João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Construções e Comércio Camargo Corrêa S.A.;

- Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS;

- Alexandre Portel Barbosa, advogado da OAS;

- Ednaldo Alves da Silva, funcionário da UTC Participações S.A;

- Carlos Eduardo Strauch Albero, diretor técnico da Engevix Engenharia S.A.;

- Newton Prado Júnior, diretor técnico da Engevix Engenharia S.A.;

- Dalton dos Santos Avancini, diretor-presidente da Camargo Corrêa Construções e Participações S.A.;

- Otto Garrido Sparenberg, diretor de Operações da IESA Óleo & Gás S.A.;

- Valdir Lima Carreiro, diretor-presidente da IESA Óleo & Gás S.A.;

- Jayme Alves de Oliveira Filho, ligado a Alberto Youssef;

- Adarico Negromonte Filho, ligado a Alberto Youssef;

- José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS;

- Ricardo Ribeiro Pessoa, UTC Participações S.A.;

- Walmir Pinheiro Santana, UTC Participações S.A.;

- Carlos Alberto da Costa Silva, ligado a empreiteiras

- Othon Zanoide de Moraes Filho, diretor-geral de Desenvolvimento Comercial da Vital Engenharia, Grupo Queiroz Galvão;

- Ildefonso Colares Filho, diretor-presidente da Construtora Queiroz Galvão S.A;

- Renato de Souza Duque, ex-diretor da Petrobras;

- Fernando Antônio Falcão Soares, citado nas investigações como agente do PMDB no esquema criminoso.

Leia tudo sobre: Lava jatoprisõesempreiteirasdirigentes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas