Projeto que alivia dívidas de Estados e municípios é aprovado pelo Senado

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Texto propõe que dívidas passem a ser corrigidas pela Selic ou pelo IPCA; governadores e prefeitos estiveram na votação

Agência Brasil

O plenário do Senado aprovou, nesta quarta-feira (5), projeto de lei complementar alterando o indexador das dívidas dos Estados e municípios, permitindo que paguem juros menores à União e tenham descontos sobre o atual saldo devedor. O texto teve longa tramitação, passou por numerosos impasses, mas foi aprovado conforme texto recebido da Câmara dos Deputados. Agora segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Agência Senado
O senador Luiz Henrique, do PMDB, discursa no plenário antes da aprovação do texto, nesta quarta

A matéria estava parada desde abril, quando chegou a ser levada para votação em plenário. Como recebeu emendas, teve de ser submetida a nova análise das comissões de Constituição e Justiça e Assuntos Econômicos. As emendas receberam pareceres contrários do relator, senador Luiz Henrique (PMDB-SC), permitindo que o texto voltasse ao plenário.

Atualmente, as dívidas são corrigidas pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), mais juros de 6%, 7,5% ou 9% ao ano. Com isso, a rolagem da dívida dos entes federados frequentemente ficava acima da taxa básica de juros da economia, a Selic, que é paga pela União na tomada de empréstimos.

O texto aprovado propõe que a as dívidas passem a ser corrigidas pela Selic ou pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais 4%, o que for menor, nos contratos assinados desde janeiro de 2013. Nas dívidas anteriores, autoriza o governo federal a recalcular o saldo devedor com base na taxa básica de juros.

As emendas obrigando o retorno do texto às comissões propunham substituir o IGP-DI e os juros pelo IPCA, autorizando a União a recalcular os contratos antigos também pelo novo índice. O relator considerou que isso oneraria excessivamente a União e que, ao oferecer desconto de até 75% nas dívidas, feriria a Lei de Responsabilidade Fiscal.

A votação em dois turnos no plenário foi acompanhada por governadores e prefeitos interessados na renegociação das dívidas de seus Estados e municípios. Entre eles, os governadores Tarso Genro e Luiz Fernando Pezão, do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, respectivamente, e o prefeito Fernando Haddad, de São Paulo.

Leia tudo sobre: dívidas estados municípiospolíticasenadoipcaselic

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas