Em reunião, membros da comissão também decidiram que se reunirão duas vezes por semana para agilizar os trabalhos

Agência Brasil

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras marcou para o dia 18 de dezembro a votação do relatório final do deputado Marco Maia (PT-RS). Na prática, a data representa prorrogação de um mês no prazo da CPMI, mas isso ainda precisa ser lido e aprovado no plenário do Congresso Nacional.

O deputado Marco Maia, responsável pelo relatório final da comissão que avalia desvios na estatal
Agência Câmara
O deputado Marco Maia, responsável pelo relatório final da comissão que avalia desvios na estatal

Na reunião desta quarta-feira (5), os membros da comissão decidiram também que, a partir do dia 17 deste mês, vão se reunir duas vezes por semana para agilizar a conclusão dos trabalhos. Vários requerimentos de convocação já foram aprovados e muitos depoentes ainda precisam ser ouvidos pela comissão. Para a próxima terça-feira (11), por exemplo, foi marcada a oitiva da diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, e do gerente de Contratos da Petrobras, Edmar Diniz de Figueiredo.

Leia também:
Pela primeira vez, Dilma admite que houve desvio na Petrobras
Bovespa tem queda acentuada puxada por Petrobras

Nesta quarta, a CPMI aprovou também a convocação do empresário Márcio Bonilho, citado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, após conversas com o doleiro Alberto Youssef sobre pagamento de propinas na Petrobras, e da ex-contadora de Youssef Meire Posa, que já depôs anteriormente na comissão. Outros empresários citados pela Polícia Federal como laranjas do esquema de corrupção também serão convocados pra falar aos parlamentares.

Um acordo firmado entre governistas e oposicionistas impediu a votação de requerimentos de convocação de pessoas ligadas a partidos políticos. Havia requerimentos para convocação do presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), de outros membros do partido e de tesoureiros de outras legendas, como o do PT, João Vaccari Neto. “Tivemos um acordo pelo qual, em função do prazo exíguo, não trataríamos da convocação de ninguém da política. Portanto, incluem-se tesoureiros de partidos, dirigentes partidários e parlamentares”, disse Marco Maia, após reunião a portas fechadas com líderes partidárias da CPMI.

Os parlamentares também decidiram não votar a quebra dos sigilos fiscal e telefônico das empreiteiras citadas no esquema de corrupção, mas vão pedir informações a essas empresas, que terão dez dias para responder à comissão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.