Aécio anuncia grupo de trabalho para acompanhar promessas de Dilma

Por Marcel Frota - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Tucano larga na frente em disputa interna do PSDB, assume protagonismo e fala de uma nova oposição para manter mobilização eleitoral visando nova disputa em 2018

A primeiro reunião da Executiva Nacional do PSDB com seus aliados eleitorais no final da manhã desta quarta-feira (5) em Brasília foi a inauguração do que Aécio Neves chamou de “nova oposição”.

Em meio a lideranças aliadas e correligionários, Aécio foi alçado à posição de líder dessa corrente que pretende marcar em cima o governo no segundo mandato. O senador tucano, derrotado nas urnas, disse que fará um grupo de trabalho para fiscalizar promessas da presidente.

“Vamos acompanhar as ações desse governo e qualificar nossa oposição. Estou reunindo e organizando um grupo de trabalho técnico que vai permanentemente avaliar as ações de cada uma das áreas desse governo para que possa municiar aos senhores para cobrar cada um dos compromissos que eles assumiram durante a campanha eleitoral”, anunciou Aécio no discurso de encerramento da reunião.

O senador mineiro buscou contagiar correligionários e aliados para essa nova linha de atuação da oposição que, desde já visa 2018. “A mesma determinação, a mesma coragem com as quais me preparei para governar o Brasil, trago hoje para participar da nova oposição que aqui hoje se reúne”, disse Aécio. “Depende de nós fazer com que essa chama que cresceu na sociedade brasileira, que se espalhou por todo o Brasil, continue”, acrescentou.

Divulgação
Aécio Neves: preparando o terreno para 2018

O discurso motivacional de Aécio estava na boca dos principais oradores da reunião. “Não podemos nos dispersar”, resumiu a senadora Ana Amélia (PP-RS), também derrotada na disputa eleitoral deste ano, quando concorreu ao governo gaúcho. “É consenso que Aécio saiu muito grande dessa eleição”, disse Mendonça Filho, líder do DEM na Câmara.

Segundo Mendonça Filho, a próxima fase dessa “luta” será no parlamento, corroborando a tese da nova oposição, que deve atuar de maneira mais combativa. E essa postura tem motivação clara, que ficou implícita em alguns momentos e absolutamente explícita em outros. “A eleição de 2018 começa agora, temos de ter uma comunicação permanente, um diálogo permanente”, afirmou o líder do DEM.

Força interna

O ato desta manhã, além de inaugurar a nova oposição porposta por Aécio a partir da empolgação das urnas, também confere ao senador mineiro uma excelente largada na disputa interna do PSDB. Os principais nomes do partido citados nos bastidores como opções eleitorais para 2018 não compareceram ao encontro. O governador paulista Geraldo Alckmin, o senador eleito por São Paulo, José Serra, e o governador do Paraná Beto Richa, foram ausências de peso.

Durante o encontro, diversas lideranças enalteceram a capacidade que Aécio teria em compor. “Fico impressionado com a capacidade de agregar de Aécio”, disse o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio. “Obrigado pela capacidade de juntar”, emendou o governador eleito do Pará, Simão Jatene. “Temos de nos manter trabalhando nessa construção coletiva que é do povo brasileiro e você (Aécio) é o condutor desse processo”, disse o governador eleito de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.

Até um dissidente do PMDB elogiou a liderança de Aécio. Raul Henry, vice-governador eleito de Pernambuco, saudou todos os dissidentes que apoiaram Aécio e reforçou o protagonismo do tucano junto à oposição. “(Aécio) teve o talento e a capacidade de agregar. Você (Aécio) tem a estatura necessária para essa missão (liderar a oposição)”, declarou ele.

Leia tudo sobre: eleições 2014AécioPSDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas