Após reeleição de Dilma, movimentos pedem independência de São Paulo do Brasil

Por Carolina Garcia - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Eleitores rejeitam o título de brasileiros e defendem criação de um novo país nas redes sociais: "República de São Paulo"

O resultado do 2º turno das eleições dominou as redes sociais com novos ataques a nordestinos, mas também deu força a movimentos separatistas, que rejeitam a reeleição de Dilma Rousseff (PT) e lutam por uma nova divisão geográfica do Brasil. O mais forte discurso foi observado em São Paulo, onde o deputado eleito Coronel Telhada (PSDB) declarou apoio ao processo de independência do Sul e Sudeste, exceto Minas Gerais e Rio de Janeiro, que tiveram maioria de votos ao PT. “Devemos nos submeter a esse governo escolhido pelo Norte e Nordeste? Eles que paguem o preço sozinhos”, disse o político em seu perfil do Facebook.

Reprodução
Reprodução da postagem do deputado eleito Coronel Telhada (PSDB) que gerou polêmica

Ao iG, o deputado faz um recuo em seu discurso e cita um “mal-entendido” entre os seguidores, dizendo agora que não quer separar as regiões brasileiras, mas dar autonomia política aos Estados do Brasil, possibilitando que eles criem sua próprias leis, num sistema federativo similar ao dos Estados Unidos.  

“Foi um mal-entendido. Não era para ter uma repercussão tão negativa, apenas defendi a autonomia estadual. Sou totalmente contra a separação física e geográfica [de São Paulo]. Demoramos tantos anos para conseguir montar uma democracia, um Brasil unido, que separação não é a resposta”, justifica Telhada, sobre a fala que foi compartilhada 15 mil vezes na rede social.

Na última terça-feira (28) pela manhã, o post já não era encontrado no perfil do coronel, “possivelmente foi apagado pelo número de reclamações que o Facebook recebeu”, sugere. “Precisamos tomar muito cuidado com o que a gente escreve. Às vezes, a gente escreve uma besteira”. A repercussão da fala de Telhada foi instantânea. Entre palavras de opoio e acusações de racismo contra o deputado, seguidores divulgavam a existência da página Movimento São Paulo Independente (MSPI), que apoia a fundação de um novo país, a República de São Paulo.

Redes sociais: Memes viralizam e brincam com a reeleição de Dilma Rousseff 

Destino de Lobão e eleições no Brasil dominam Twitter mundial

“Não somos brasileiros, somos paulistas”

A eleição presidencial ficou marcada por uma campanha dura, além de protagonizar a disputa mais acirrada da história e ser responsável pela divisão do País. Os movimentos que defendem uma nova definição do Brasil passaram ainda a rejeitar a nacionalidade brasileira. “Não seríamos mais chamados de brasileiros, pois esse rótulo está desgastado e vergonhoso. É motivo de aversão no exterior. O nosso gentílico seria paulista”, defende um seguidor da página do MSPI.

Entenda: Reeleição de Dilma gera nova onda de preconceito nas redes sociais

Em campanha mais acirrada da história, Dilma é reeleita presidente da República

Para Alessandro Chiarottino, vice-presidente do movimento MSPI, que começou nos anos 1980, as eleições 2014 mostraram um Brasil dividido em dois pelos eleitores de Aécio Neves (PSDB) e de Dilma Rousseff – “um de São Paulo para baixo e outro representado principalmente pelo Nordeste”. O líder do grupo, que também atua como advogado e professor de direito constitucional, explica que a nova divisão geográfica é “importante e natural” no momento em que o resultado do pleito é questionado.

Veja as principais manifestações de revolta nas redes sociais após as eleições:

Reeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: ReproduçãoReeleição de Dilma Rousseff gerou revolta nas redes; movimentos defendem a independência de São Paulo e impeachment da petista. Foto: Reprodução

“Como o meu Estado vota de uma forma tão diferente das outras partes do País? Talvez temos valores diferentes, uma visão diferente de como posso crescer na vida”, indaga Chiarottino, ressaltando que o Brasil foi dividido por “termos sociais”, principalmente pela região que mais se beneficia pelo programa social Bolsa Família. Em poucas horas, após o final da apuração das urnas, a página MSPI saltou de 8 mil para 20 mil seguidores. E os três administradores estão confiantes de que o caso “não se trata de fogo de palha”.

Inspirado pela revolução constitucionalista de 1932 e por movimentos separatistas europeus, como Liga do Norte (Itália) e Identitário Catalão (Espanha), o grupo espera colocar a separação de São Paulo em debate na população. O advogado explica as motivações do movimento: “São Paulo contribui com R$ 220 bilhões por ano para a União e recebe de volta menos de 10%. Além disso, sofremos com uma sub-representação política. Deveríamos ter o dobro dos parlamentares no Congresso Nacional”.

Reprodução
Usuários compartilharam nas redes as novas configurações do Brasil após as eleições

Tratando o Brasil como uma “república indivisível”, a Constituição de 1988 proíbe qualquer separação do País e configura a sua tentativa como crime contra a segurança nacional, com pena prevista de 4 a 12 anos de prisão. Por isso, a estratégia do MSPI é difundir o pensamento na maioria da população de São Paulo, numa tentativa de alterar lei máxima brasileira. 

“A Constituição reconhece a soberania popular. E ela não é uma pedra, como as tábuas da lei de Moisés. Nós não podemos permitir a continuidade da exploração objetiva do Estado de São Paulo que é vergonhosa”, conclui.

Muro: Brasil x Nova Cuba

Se de um lado uns clamam pela independência do próprio Estado, outros defendem uma construção de um muro. Um caso que chamou a atenção no Rio Grande do Norte foi protagonizado por uma vereadora, que sugeriu uma divisão entre Brasil e Nova Cuba. Eleika Bezerra (PSDC) postou uma imagem com os Estados das regiões Norte e Nordeste, além do Rio de Janeiro e Espírito Santo, compondo a Nova Cuba. As outras regiões seriam o Brasil, com exceção de Minas Gerais, que seria implodida para a construção de um lago. A postagem foi apagada momentos depois.

Além da nova configuração geográfica, eleitores criaram inúmeros eventos no Facebook propondo manifestações no próximo final de semana pelo impeachment de Dilma. Veja na galeria de imagens acima as principais manifestações nas redes. Uma das organizações mais numerosas, com 26 mil membros, diz organizar protestos em ao menos cinco Estados. Em São Paulo, o grupo promete se reunir às 14 horas, em frente ao MASP, no próximo sábado (1º). 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas