Novo governador do Ceará, Camilo Santana elege segurança pública como prioridade

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

"Eu não prometi nada que não foi estudado e que eu não possa cumprir nos próximos quatro anos”, disse petista após a vitória

Agência Brasil

O petista Camilo Santana foi eleito governador do Ceará. Em uma disputa acirrada, porém menos apertada do que no primeiro turno; Camilo teve 53,35% dos votos válidos, derrotando Eunício Oliveira (PMDB). O peemedebista teve 46,65% dos votos válidos.

Infográfico: PMDB termina eleições com mais governadores. Veja quem foi eleito

Santana destacou que a segurança pública será uma área prioritária no governo. Esse é o desejo de muitos moradores da capital Fortaleza. Um deles é motorista Raimundo Pinheiro, de 57 anos. “Precisamos de segurança, porque não dá mais. Agora esperamos que o Camilo consiga trazer a transformação”, desabafa o maranhense que mora há mais de 20 anos no Ceará

Marcelo Camargo/ABr
Camilo Santana (PT) discursa depois de vitória no segundo turno para o governo do Ceará


O petista disse que não vai decepcionar o povo cearense. “Bilhete único intermunicipal, escolas de ensino médio profissionalizantes, UPAs [ unidades de Pronto-Atendimento] nas cidades com mais de 50 mil habitantes. Eu não prometi nada que não foi estudado e que eu não possa cumprir nos próximos quatro anos”, disse Santana após saber que foi o vencedor do pleito.

Depois da confirmação do resultado, Camilo foi para o comitê de campanha no bairro Cocó em Fortaleza, onde uma multidão o aguardava. Ele estava acompanhado pela vice-governadora eleita, Izolda Cela, pelo ex-governador Ciro Gomes e pelo atual, Cid Gomes. Todos são do PROS.

Leia mais: Camilo Santana é eleito governador no Ceará

Camilo Santana tem 46 anos e é natural de Crato. Foi o deputado estadual e secretário estadual de Cidades. A vice-governadora eleita é a professora Izolda Cela (PROS), primeira vice-governadora eleita do Ceará.

No segundo turno, 1,363 milhão de pessoas não votaram, o que representa 21,75% do eleitorado do estado, que é o oitavo maior colégio eleitoral do país. Os votos brancos foram 2,07% e os nulos 5,55%.

A Corregedoria da Justiça Eleitoral do estado registrou 76 ocorrências de crime eleitoral e 15 pessoas foram presas, a maioria por boca de urna. Com base nesses números, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e o Ministério Público avaliam que o segundo turno foi mais tranquilo do que o primeiro.

“Houve número de ocorrências maior do que no primeiro turno, mas elas foram efetivamente atendidas. O trabalho das instituições [polícias Militar, Civil, Federal e Forças Armadas] foi positivo para a segurança“, ressalta o procurador regional Eleitoral, Rômulo Conrado. O procurador também confirmou que a Polícia Militar cumpriu a ordem judicial de não deixar as viaturas paradas por mais de 15 minutos.

No Ceará 189 urnas foram substituídas. Houve também 25 ocorrências com urnas do sistema biométrico, que foi utilizado em oito municípios cearenses. O balanço do Tribunal Eleitoral é que o reconhecimento digital provocou menos filas no segundo turno. O diretor-geral do TRE, Humberto Mota, diz que a intenção é expandir o sistema para todo o estado nas próximas eleições, daqui a dois anos, quando serão eleitos prefeitos e vereadores. “A experiência foi exitosa. No segundo turno não tivemos atraso no processo de identificação e estamos aptos para avançar”.

A cidade com mais problemas na biometria no segundo turno foi Juazeiro do Norte, onde sete urnas de reconhecimento digital foram trocadas.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas