Ex-presidente comentou reportagem da revista "Veja" e afirmou que não é preciso ficar nervoso. "Só conheço esse cara (Youssef) pelas páginas policiais. É importante a gente estar com a consciência tranquila"

Ex-presidente Lula vota na Escola Estadual José Firmino Correia De Araújo em São Bernardo do Campo, em São Paulo
Marcos Bezerra/Futura Press
Ex-presidente Lula vota na Escola Estadual José Firmino Correia De Araújo em São Bernardo do Campo, em São Paulo

Após votar em São Bernardo do Campo (SP), o ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva concedeu entrevista reservada para o programa "Pânico na TV" e comentou a reportagem veiculada pela revista "Veja" , na qual a publicação diz que o doleiro Alberto Youssef afirma que tanto ele quanto a presidente Dilma Rousseff (PT) conheciam o esquema de irregularidades na Petrobrás.

Leia mais: Lula diz que acredita em manutenção da democracia, mas alerta para discurso da oposição

"A gente não tem que ficar nervoso, a Folha [de S. Paulo] reproduziu a Veja. É bem possível que ele tenha falado mesmo, o cara está numa delação premiada, ele está recebendo porque quer ferrar alguém. Lamentavelmente, eu só conheço esse cara pelas páginas policiais. É importante a gente estar com a consciência tranquila", disse o ex-presidente.

Leia também: PF diz que Alberto Youssef passa bem e ficará hospitalizado por 48h

Sobre a relação do futuro governo com o Congresso Nacional, Lula reconheceu que o cenário para construir uma relação com o Legislativo tende a ser difícil. "Vamos ter que ter um aprendizado de convivência com o Congresso Nacional, que vai ser agora cada vez mais difícil. Ou seja, você vai ter que negociar com 28 partidos que estão lá representados. Não é fácil o jogo de montar uma coalizão de 28 partidos. Ao invés de ficar reclamando, a gente tem que começar a pensar como construir a engenharia da governabilidade nesse País."

Políticos votam neste domingo. Veja fotos na galeria:

Fique por dentro de tudo das eleições 2014

Logo após Lula deixar a escola onde votou, dois militantes pró-Aécio Neves trocaram empurrões e insultos com a militância petista presente. O tumulto, no entanto, não passou disso, não sendo necessária a intervenção da polícia.

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.