Em campanha mais acirrada da história, Dilma é reeleita presidente da República

Presidente, candidata pelo PT, conquistou 2º mandato derrotando adversário Aécio Neves (PSDB), em vitória apertada
Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA
Dilma Rousseff é reeleita presidente da República (26/10)

Depois de uma campanha duríssima e cheia de altos e baixos, a economista mineira Dilma Rousseff (PT) conquistou pela segunda vez a Presidência da República. A reeleição da presidente se confirmou por volta das 20h30 da noite deste domingo (26), quando 98% dos válidos foram computados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Neste momento, o segundo colocado na disputa do segundo turno, o presidenciável Aécio Neves (PSDB), não podia mais alcançá-la matematicamente. 

Na madrugada desta segunda-feira (27), quando 99,% das urnas estavam apuradas, Dilma tinha 54.500.287 de votos, cerca de 51,64%, contra 51.041.146 de  Aécio, 48,36%. Tanto a campanha presidencial como a vitória da petista foram as mais acirradas da história democrática brasileira.

Cerca de 30 milhões não foram às urnas neste domingo, o que representou uma abstenção de 21%. Os votos nulos foram 5.219.604, 4,63%, e os brancos, 1.921.812, 1,71%. Com 99% de urnas apuradas, o total de votos era de 112.682.849. 

Discurso: "Não acredito que as eleições tenham dividido o Brasil ao meio", diz Dilma

Com a vitória de Dilma e os quatro anos a mais conquistados por ela, o PT vai somar quatro mandatos seguidos na Presidência, num total de 16 anos de anos, a serem completados em 2018. O número é inédito. Nenhum partido ficou tanto tempo no comando do Brasil.

Os primeiros oito anos foram de Luiz Inácio Lula da Silva, que em 2010 alçou a sua então ministra da Casa Civil candidata  a Presidente, que conquistou assim o seu primeiro mandato. 

Em 2010,  Dilma venceu com um percentual bem maior. Quatro anos atrás, a petista ficou com 56,05% dos votos válidos.  O seu adversário de então, o tucano José Serra, ficou com  43,95%. 

Campanha de reviravoltas

Dilma, que tem 66 anos, começou a corrida eleitoral como favorita, mas ao longo da campanha, a petista enfrentou momentos difíceis, como a morte em agosto do oponente Eduardo Campos, então candidato presidencial do PSB, num acidente aéreo na cidade de Santos, no litoral de São Paulo.

Leia também: Dilma promete Brasil da mudança com continuidade e avanço social

Foto: Divulgação
Dilma Rousseff (PT) foi reeleita neste domingo presidente da República


A morte do ex-governador de Pernambuco provocou uma comoção nacional e uma reviravolta nas pesquisas de intenção de voto. Dilma, que estava à frente, viu a substituta de Campos na chapa do PSB, a ex-senadora Marina Silva, disparar nas intenções de voto e encostar na petista.

No meio de setembro, as duas chegaram a ficar empatadas. Na ocasião, os principais institutos de pesquisas projetavam uma vitória de Marina num eventual segundo turno com Dilma. A campanha do PT começou então uma campanha de desconstrução da ex-senadora, baseada em contradições na trajetória dela, como o recuo no plano de governo dela em relação a uma agenda progressista para a população LGBT. Em menor intensidade, Aécio, então em terceiro lugar, também começou a atacar a candidata do PSB.

Mapa do poder: PMDB termina eleições com mais governadores. Veja infográfico

A desconstrução deu certo e a campanha de Marina chegou desidratada ao final do primeiro turno. Mas o PT não contava com um efeito contrário. Com a queda da candidata do PSB, os votos delas migraram em grande parte para Aécio. Com isso, o resultado do primeiro turno foi muito menos favorável do que a petista gostaria.

Em 5 de outubro, Dilma obteve 41,59%, num total de 43. 267.668 de votos. Aécio ficou com 33,55%, 34.897.211. Com o gás perdido, Marina acabou em terceiro, 21,32%, 22. 176.619. A votação do tucano surpreendeu, com uma distância menor para a petista do que projetavam as pesquisas.

O desempenho de Aécio assustou a campanha petista e animou os tucanos. Nas primeiras pesquisas depois de 5 de outubro, o candidato do PSDB apareceu numericamente à frente de Dilma, numa situação de empate técnico.

A campanha do segundo turno foi marcada pelo ressurgimento da polarização PT versus PSDB, que pela sexta vez marcam as eleições presidenciais no Brasil. Desta forma, foi inevitável a comparação entre os 8 anos do tucano Fernando Henrique Cardoso e os 12 anos de Lula e Dilma.

Ambas as campanhas assumiram posturas agressivas, o que refletiu numa intensa troca de ataques entre Dilma e Aécio nos debates na TV, que só ficou menos beligerantes nos últimos confrontos.

Mas o comparativo entre os governos de FHC e os petistas mais uma vez se mostrou favorável ao PT, que assim deu a Dilma o seu segundo mandato na Presidência, o quarto do partido no Palácio do Planalto.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-10-26/em-campanha-mais-acirrada-desde-1989-dilma-e-reeleita-presidente-da-republica.html