Com a venda de quitutes caseiros em frente à maior seção eleitoral de Campo Grande, Maria de Fátima pretende pagar o curso de inglês do filho

Agência Brasil

A monitora de escola Maria de Fátima de Souza Dias, 50 anos, passou o sábado (25) preparando cucas recheadas, biscoitos aromatizados, cuecas-viradas e nozinhos, produtos típicos da culinária paranaense. 

LEIA MAIS: "Foram as eleições mais tranquilas dos últimos tempos", diz presidente do TSE

Neste domingo (26), por volta das 7h da manhã, ela levou, na companhia do filho mais novo, metade da produção para a frente da Escola Estadual Dolor Ferreira de Andrade, onde funciona a segunda maior seção eleitoral de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, com cerca de 66 mil eleitores.

Leia tudo sobre as eleições 2014 no Brasil

Maria de Fátima de Souza Dias aproveita o segundo turno das eleições para aumentar a renda da família
Pollyane Marques/Agência Brasil
Maria de Fátima de Souza Dias aproveita o segundo turno das eleições para aumentar a renda da família


A outra metade, a filha mais velha levou para a porta de outra escola a poucas quadras dali. Para a família da monitora escolar dia de eleição é dia de aumentar a renda. 

“Nós temos muito emprego em Campo Grande, mas são praticamente subempregos. Eu só ganho o piso da categoria e isso é muito pouco para sustentar um filho adolescente que eu crio sozinha. Então eu aproveito meus talentos para ganhar um extra”, conta Maria de Fátima que, se vender toda a mercadoria que levou, deve flucrar R$ 70 reais ao fim do dia.

Veja o clima do segundo turno das eleições neste domingo (26) pelo País:

A ideia de fazer os quitutes foi do filho Gabriel Magalhães Dias, de 13 anos, que, de acordo com o depoimento da mãe, será o mais beneficiado com as vendas. O lucro será utilizado para pagar a mensalidade do cursinho de inglês do garoto.

Maria de Fátima explica que não será fácil passar o dia todo lá, já que a temperatura, que no início da manhã era 20 graus Celsius (ºC), deve subir bastante à tarde. Mas ela disse que compensa o esforço. “Se você for pensar no dia de uma diarista que rala o dia todo pra ganhar pouco mais que isso, aqui vai ser moleza”, conta ela que entre uma explicação e outra atende quem chega interessado nas gostosuras.

A monitora vota ali mesmo, na Escola Estadual Dolor Ferreira de Andrade e afirmou que entre uma venda e outra vai tirar um tempo para cumprir seu papel de cidadã.

Para ela, o voto será de esperança de maiores investimentos em educação, afinal a renda da família depende dela, que trabalha em uma escola, enquanto Gabriel, o caçula, que estava sentado ao lado lendo um livro do filósofo Descartes, precisa estudar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.