"(Lula) se permitiu cumprir um papel que não dá a ele a dignidade que um ex-presidente mereceria ter", diz candidato

O candidato à presidência pelo PSDB Aécio Neves  alfinetou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após votação em Belo Horizonte . Para o tucano, "lamentavelmente o ex-presidente, na sua ânsia de permanecer no poder, se apequenou nessa campanha".

Para Aécio, "ele (Lula) se deixou, se permitiu cumprir um papel que não dá a ele a dignidade que um ex-presidente mereceria ter". "Farei sempre um grande esforço - até porque tenho uma alma generosa - de lembrar sempre mais dos elogios que ele me fazia em público e no privado quando não estava disputando eleições, do que as acusações, dos destemperos verbais que ele demonstrou agora no final da campanha", completou o candidato.

LEIA MAIS:  "Foram as eleições mais tranquilas dos últimos tempos", diz presidente do TSE

O tucano também fez um balanço da campanha deste ano. "É a mais sórdida campanha já feita no País, com ofensas, com calúnias e com mentiras protagonizadas por um partido político que quis se manter no país a qualquer custo", disse.

"Por outro lado, uma extraordinária marca que também o Brasil vai se lembrar por muito tempo. O Brasil acordou. O Brasil foi para as ruas para dizer que não aceita mais que um partido se julgue dono do nosso destino."

Questionado sobre a condução de um governo de conciliação, o candidato disse que se vê "em melhores condições de fazer esse entendimento do que minha adversária", disse em referência à atual presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).

Aécio Neves e sua mulher no segundo turno
Sergio Moraes/Reuters
Aécio Neves e sua mulher no segundo turno

"Eu, se vencer essas eleições, a primeira grande missão que terei é exatamente a unificação do país. E vamos fazer isso demonstrando que as acusações que nos faziam os partidários da candidata oficial nada mais são do que o terrorismo para se manter no poder."

O candidato afirmou que se vê "pronto" para assumir o cargo. "Me vejo pronto para ser o presidente de todos, o presidente da união nacional, e de um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento sustentável no país."

Aécio disse ainda que está sendo dada uma "chance" para que as pesquisas eleitorais acertem os resultados do segundo turno. "Acho que é preciso que elas (as pesquisas) se requalifiquem. Aliás, esse é um assunto que certamente teremos oportunidade de tratar após o resultado, vamos dar a elas uma chance para acertarem."

Sobre as críticas levantadas sobre sua gestão como governador de Minas Gerais, Aécio defende a "mesma forma" com que tratou todos os prefeitos do estado e promete "uma relação absolutamente republicana" com a região no caso de vencer.

Dilma: "Campanha teve momentos lamentáveis"

"Eu tratei, em Minas Gerais, todos os 853 prefeitos da mesma forma, fossem eles do PT, fossem eles do meu partido. E eles próprios reconhecem isso. Terei, se for eleito, com o governador escolhido pelos mineiros, uma relação absolutamente republicana."


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.