Flash mob dá lugar a 'carnaval' com tucanos e petistas em Brasília

Por Mel Bleil Gallo - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Militantes dos dois lados se misturaram em ato na capital federal, correndo atrás de indecisos até o último dia

O que inicialmente estava previsto para ser uma mobilização da militância petista no formato de uma flashmob tornou-se uma verdadeira passeata pelo centro de Brasília, na noite de quinta-feira (23). No local, as bandeiras vermelhas e os cabos eleitorais disputavam a atenção com militantes tucanos. Em meio às campanhas presidenciais, também circulavam militantes em defesa dos candidatos ao governo do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR). Apesar de ambas apoiarem oficialmente o presidenciável tucano Aécio Neves, a maioria usava adesivos da presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff.

Pesquisas: Dilma chega a 53% contra 47% de Aécio, mostra Datafolha

Dilma abre 8 pontos de vantagem e vai a 54% contra 46% de Aécio, aponta Ibope

“A ideia era fazer um ato rapidinho, com a juventude, cantar a música Coração Valente para as pessoas e ir embora”, explicou a administradora Iara Cordeiro, militante da juventude do Partido dos Trabalhadores e uma das organizadoras do ato. De acordo com Iara, a divulgação foi feita essencialmente entre a juventude do partido, mas acabou ganhando uma repercussão maior. “A gente perdeu o controle e virou um carnaval, uma festa super feliz, bonita, colorida e educada”, afirmou. A intenção original era distribuir centenas de origamis em formato de coração, além de fazer uma “chuva” de papel branco, por onde passasse a bateria.

E mais: PT comemora volta às ruas e adesão de ex-simpatizantes

Embora o clima fosse bastante festivo, não faltaram provocações aos militantes adversários. Além do jingle “Coração Valente” puxado por uma batucada, um dos principais gritos de guerra dos petistas alfinetava diretamente Aécio Neves e dizia “no meu país, eu boto fé, não voto em homem que bate em mulher”. “Sempre há conflito. Esse é o modus operandi do PT”, reclamou o militante da juventude do PSDB Lucas Pinheiro. “A gente está aqui pacificamente, como o povo que foi às ruas no ano passado, com o espírito de mudança. Sabemos que o Aécio vai ganhar em Brasília.”

Leia também: Aécio minimiza vantagem da adversária Dilma nas pesquisas

As campanhas dos candidatos locais, entretanto, foram poupadas de provocações. Embora Rollemberg e Frejat tenham declarado apoio ao PSDB no segundo turno, a maioria dos militantes do PR e do PSB usava adesivos e bandeiras em dobradinha com Dilma. O PR chegou a colocar um carro de som todo decorado com bandeiras e faixas do partido, à disposição do ato, com músicas petistas. “Cada um tem uma opinião. Hoje o PR local pode estar com Aécio, mas o nacional está com a Dilma. Eu passei 25 anos da minha vida contra o PT, mas com a convivência e o trabalho nós descobrimos que Dilma fez muito pelo Brasil. Portanto, hoje, eu retiro a questão de ser radical na militância de direita, porque tem alguém de esquerda fazendo um bom trabalho”, disse o militante do PR Valdir Luiz.

A passeata, entretanto, não contagiou o motorista de ônibus Waldir Pereira da Silva e o taxista Alexandre Pinto, que trabalham na região e ainda não decidiram o voto no segundo turno. Até o momento, os dois estão mais inclinados a votar em Aécio Neves no domingo, mas dizem que ainda vão assistir ao debate desta noite e pesquisar um pouco sobre a vida e as propostas dos candidatos. “Não só eu, mas acho que quase todo mundo não sabia muito sobre a vida do Aécio. A Dilma a gente já conhecia, mas aí a gente vai sabendo da malfeitoria deles e já não vai com força total. É difícil”, critica o taxista.

Assista ao vídeo:


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas