Diretor da Petrobras  apresenta atestado e falta a depoimento em CPMI

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Doleiro Alberto Youssef deve ser ouvido na próxima semana

Agência Brasil

Começou sem o depoimento do diretor da Petrobras José Carlos Cosenza a reunião de quarta-feira (22) da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) que investiga denúncias de corrupção na companhia. Cosenza foi convocado, mas apresentou atestado médico e não compareceu. Diante disso, os parlamentares mantiveram a reunião da CPMI e, entre outras decisões, definiram a próxima quarta-feira (29) para ouvir o doleiro Alberto Youssef.

Youssef é apontado pela Polícia Federal como operador de um esquema de lavagem de dinheiro em diversos casos de corrupção, entre eles o da Petrobras. Preso no Paraná desde que foi deflagrada a Operação Lava Jato, ele fez acordo de delação premiada com a Justiça. Por isso, os próprios parlamentares admitem a possibilidade de que ele use a prerrogativa de ficar calado para não perder os benefícios do acordo com o Judiciário.

Leia também: Juiz federal condena doleira a 18 anos de prisão

“Para não jogarmos novamente dinheiro público no lixo, o senhor poderia fazer um contato com o advogado de Alberto Youssef e perguntar se, na semana que vem, passado o período eleitoral, ele pretende falar em sessão aberta ou fechada", sugeriu ao presidente da CPMI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), o deputado Fernando Francischini (RS), líder do Solidariedade. "Vamos gastar com avião da Polícia Federal e escolta para ele dizer que não vai falar nada, porque está em delação premiada”, criticou Francischini.

O deputado lembrou que, quando tentaram ouvir Paulo Roberto Costa, ele também optou por ficar calado para não comprometer os benefícios da delação premiada. Costa passou mais de três horas ouvindo os questionamentos dos parlamentares, limitando-se a responder que não diria nada.

Estamos diante do enterro da CPMI. Não basta prorrogar por mais 30 dias. Para que? Temos de quebrar os sigilos bancário, fiscal e telefônico das grandes empreiteiras, dos políticos e partidos envolvidos. É isso que queremos saber”, ressaltou o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR). Ele chegou a levantar a possibilidade de o atestado apresentado por Cosenza ser “fajuto”.

Os oposicionistas insistem em ouvi-lo. Por isso, tentarão agendar nova data com ele para a próxima semana. Cosenza ocupa a diretoria de Abastecimento da Petrobras desde que Paulo Roberto Costa, também envolvido nos escândalos da Operação Lava Jato, deixou o cargo. Em depoimento à Justiça, Costa admitiu que intermediava o pagamento de propina de grandes empreiteiras para partidos políticos.

Leia tudo sobre: Caso PetrobrasLava Jato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas