Dilma e Aécio evitaram afastar eleitor indeciso

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento* |

compartilhe

Tamanho do texto

Para não contrariar eleitores indecisos, candidatos evitaram os ataques pessoais no debate da TV Record. Munições foram guardadas para o debate da Globo, último do segundo turno

Brasil Econômico

Tanto a presidenta Dilma Rousseff (PT) quanto o senador Aécio Neves (PSDB) evitaram os ataques pessoais no debate da TV Record, na noite de domingo, para não afastar eleitores indecisos, em torno de 15% a 20% dos votantes no próximo domingo. Em busca dessa parcela do eleitorado, coordenadores das duas campanhas avaliaram que, nesta reta final, existem riscos de continuar apenas no ataque. O entendimento é que esse eleitor volátil pode concluir que a campanha rumou para o “baixo nível” e rejeitar os responsáveis por eventuais agressões. Nos debates anteriores, Dilma fez denúncias contra Aécio, como a de sua recusa em fazer o teste do bafômetro. Além das acusações de desvios na Petrobras, Aécio falou da contratação do irmão da presidenta em órgão público.

Debate da Record: Dilma e Aécio trocam agressividade por guerra de números 

A partir daí, os temas foram levados para as redes sociais. Para o deputado Edson Aparecido (PSDB-SP), ex-chefe da Casa Civil de Geraldo Alckmin e coordenador da campanha do governador reeleito, ficou evidente, logo no início, que Dilma “mudou de estratégia”. Alguns assessores de Aécio, no entanto, discordavam. Entendiam que Dilma ainda queria “ir para a briga”. Ao final, o resultado pareceu agradar aos dois lados. Munições foram guardadas para o próximo debate, da TV Globo, na sexta-feira. Líderes petistas consideraram que foi a melhor performance de Dilma até o momento nos debates. “Ela estava firme e segura”, comemorou o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Para os tucanos, Aécio foi infinitamente melhor. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) acha que Dilma levará vantagem na reta final porque as denúncias sobre a Petrobras “agora pegam também o PSDB”.

Veja fotos dos presidenciáveis em campanha no segundo turno das eleições:

Dilma Rousseff recebe apoio de artistas e jovens em ato político em São Paulo (20/10). Foto: Divulgação/PTDilma Rousseff recebe apoio do ator Henri Castelli em ato político em São Paulo (20/10). Foto: Divulgação/PTCandidatos Dilma Rousseff e Aécio Neves a postos para o debate da Rede Record na noite deste domingo (19/10). Foto: Nacho Doce/ ReutersReação de Aécio Neves durante terceiro debate entre os candidatos à Presidência no segundo turno das eleições (19/10). Foto: Andre Penner/APReação de Dilma Rousseff durante o terceiro debate do segundo turno das eleições presidenciais (19/10). Foto: Andre Penner/APAécio Neves faz caminhada e carreata por Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo (19/10). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilAo lado da mulher Letícia, Aécio neves faz carreata em Copacabana, no Rio de Janeiro, e distribui autógrafos (19/10). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilEleitores tentam se aproximar de Dilma em ato de campanha em Curitiba, no Paraná (17/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Dilma cumprimenta eleitores em agenda de campanha em Florianópolis (17/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Em agenda de campanha em Florianópolis, Dilma Rousseff (PT) voltou a atacar o adversário Aécio e seu partido, o PSDB (17/10). Foto: ReutersAécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) participam do segundo debate presidencial do segundo turno, realizado pelo SBT na noite desta quinta-feira (16/10). Foto: ReproduçãoAécio neves durante intervalo do debate no SBT, o segundo do segundo turno das eleições (16/10). Foto: AP Photo/Andre PennerAssessores e profissionais arrumam Dilma durante intervalo de debate no SBT (16/10). Foto: AP Photo/Andre PennerAécio atende jornalistas em São Paulo (16/10). Foto: Vitor Sorano/iGAécio faz ato político em São Paulo e assina Termo de Compromisso do Projeto Presidente Amigo da Criança (15/10). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilDilma participa de ato de apoio aos professores em São Paulo (15/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Dilma e Aécio durante o primeiro debate do segundo turno das eleições, na Band (14/10) . Foto: ReutersDilma dá entrevista coletiva em São Paulo antes do primeiro debate na TV no segundo turno das eleições (14/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Aécio Neves também atende à imprensa antes de debate em São Paulo (14/10). Foto: Marcos Fernandes/ Coligação Muda BrasilAécio Neves durante ato político em Curitiba, no Paraná (13/10). Foto: Igo Estrela/PSDB - 13.10.2014Dilma faz ato de apoio a sua candidatura em Brasília (13/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Também em Brasília, Dilma Rousseff recebe Roberto Amaral, líder do PSB (13/10). Foto: Ichiro Guerra/Dilma 13No dia das crianças, Dilma visita Centro Educacional Unificado (CEU) Jambeiro, em Guaianases, São Paulo, e assiste à apresentação de ginástica (12/11). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Fernando Pimentel, governador eleito em Minas, faz carreata com Dilma Rousseff em Contagem e ataca de fotógrafo (11/10). Foto: Ichiro Guerra/PTEleitores se apertam para chegar perto de 
Dilma Rousseff depois de caminhada e carreata na cidade mineira de Contagem (11/10). Foto: Ichiro Guerra/PTMarcelo Crivella, que concorre ao segundo turno do governo do Rio de Janeiro contra Pezão, faz campanha por Dilma em São João de Meriti (10/10). Foto: Edvaldo Reis/Crivella 10Dilma participa de ato de mobilização com prefeitos e representantes dos movimentos sociais em Alagoas (9/10). Foto: Ichiro Guerra/PTDilma em campanha na zona sul de SP. Foto: Fotos PúblicasAécio faz carreata ao lado de políticos em Sirinhaém, em Pernambuco (11/10). Foto: Igo Estrela/Coligação Muda BrasilAécio assiste à missa na Basílica de Nossa Senhora Aparecida com a esposa Letícia, Geraldo Alckmin e a esposa do governador, Lu Alckmin (12/10). Foto: Marcos Fernandes/Colig. Muda BrasilAo lado da filha Gabriela, Aécio visita Renata Campos e a família de Eduardo Campos no Recife (11/10). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilFilho de Eduardo Campos discursa ao lado de Aécio Neves no Recife. PSB e família Campos apoiam tucano no segundo turno das eleições (11/10). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio recebeu apoio formal do PSB de Pernambuco e de família de Eduardo Campos. Foto: DivugaçãoMais de 10 mil pessoas lotaram a Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, para manifestação em apoio à candidatura de Aécio Neves (11/10). Foto: Bruno Magalhães/Coligação Muda BrasilAécio Neves se reúne com Armínio Fraga no Rio de Janeiro. Se eleito, tucano já disse que ex-presidente do Banco Central será ministro da Fazenda (10/10). Foto: Marcos Fernandes/Colig. Muda BrasilAécio Neves durante a primeira inserção de TV do segundo turno (9/10). Foto: ReproduçãoAécio Neves participa de entrevista coletiva depois de dia de compromissos no Rio de Janeiro (9/10). Foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda BrasilDilma Rousseff abriu o horário eleitoral na televisão no segundo turno das eleições (9/10). Foto: ReproduçãoDilma Rousseff (PT) participa de encontro com apoiadores no Museu du Ritmo em Salvador nesta quinta-feira (9/10). Foto: Divulgação/PTDilma Rousseff (PT) posa junto com eleitora em evento de campanha em Teresina, no Piauí (8/10) . Foto: Dilvulgação/PTCorreligionários do PT participaram de evento com Dilma Rousseff no Piauí (8/10). Foto: Divulgação/PTPresidente Dilma cumprimenta eleitores em ato político com lideranças e prefeitos em Teresina (PI) (8/10). Foto: Divulgação/PTAécio Neves(PSDB) recebe apoio dos dirigente do PSB, partido de Marina Silva (8/10). Foto: Divulgação/PSDBAécio Neves (PSDB) relança sua campanha à Presidência da República no Memorial JK em Brasília (08/10). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaPastor Everaldo declara apoio ao tucano no segundo turno (8/10). Foto: PSDB/ DIVULGACAO - 8.10.14A presidente Dilma Rousseff se reuniu nesta terça-feira com senadores e governadores eleitos da base aliada (7/10) . Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDilma Rousseff (PT) em reunião de mobilização  para a campanha de segundo turno  (7/10). Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDilma Rousseff (PT) participa de reunião de mobilização em Brasília, nesta terça-feira (7/10). Foto: Divulgação/PTAécio Neves participa de encontro com trabalhadores da construção civil na manhã desta terça-feira, em São Paulo (7/10). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilGeraldo Alckmin, governador reeleito no primeiro turno em São Paulo, participa de dia de campanha de Aécio Neves na capital paulista (7/10). Foto: Orlando Brito/Coligação Muda BrasilAécio Neves faz campanha para o segundo turno e visita obras na Chácara Santo Antônio, em São Paulo, ao lado de José Serra, eleito senador, e José Aníbal (7/10). Foto: Vitor Sorano/iGAécio Neves (PSDB) cumprimenta Geraldo Alckmin, governador reeleito de São Paulo, em coletiva de imprensa na capital paulista (6/10) . Foto: Divulgação/PSDBUm dia depois das eleições, Dilma Rousseff, que disputa o segundo turno com Aécio Neves, recebe jornalistas em Brasília (6/10). Foto: Cadu Gomes/ Dilma 13Dilma chega para coletiva de imprensa depois do resultado do primeiro turno das eleições ao lado de Michel Temmer, vice em sua chapa para a Presidência (5/10). Foto: Agência BrasilPresidente e candidata Dilma Rousseff fala com a imprensa após apuração de votos que a levou para o segundo turno com Aécio Neves. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaAécio Neves (PSDB) comemora chegada ao segundo turno das eleições presidenciais em Belo Horizonte neste domingo (05). Foto: Divulgação/PSDBAo lado da esposa Letícia e de partidários, Aécio Neves participa de coletiva depois de chegar ao segundo turno das eleições presidenciais (5/10). Foto: Agência BrasilAécio Neves, candidato à Presidência pelo PSDB, em votação em Belo Horizonte (5/10). Foto: Agência BrasilDilma volta para Brasília depois de votar em Porto Alegre (5/10). Foto: Paulo Whitaker/ReutersDilma Rousseff, presidente e candidata à reeleição pelo PT, vota na manhã deste domingo em Porto Alegre. Ela foi a primeira presidenciável a votar (5/10). Foto: Felipe Dana/AP


Tasso reclama

O ex-governador e senador eleito pelo Ceará Tasso Jereissati (PSDB) reagiu, durante o debate, quando Dilma falou que as obras de transposição do Rio São Francisco seguem a todo vapor. “Eu sou lá de perto. E vim agora de lá. Tinha até mato crescendo e nada vinha sendo feito”, afirmou.

Com que roupa?

Publicitários da campanha do PT disseram que Dilma deveria ter escolhido uma roupa vermelha ou azul-marinho, mas não branca, para o debate. Por causa de erros de iluminação da Record, o casaco da presidente ficava escurecido em alguns momentos.

Pesquisas

- Vox Populi tem novo empate técnico: Dilma vai a 52% contra 48% de Aécio
- Dilma ultrapassa Aécio, mas empate técnico permanece, segundo Datafolha

Pode perguntar, digníssimo

No encerramento de cada um dos blocos, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, repetia sempre a mesma avaliação sobre a fala do presidenciável tucano Aécio Neves. “É muito sambarylove”, dizia. Para o petista, seria “muita conversa e pouco conteúdo”. “Sambarylove” era um personagem do comediante David Pinheiro, no programa “Escolinha do professor Raimundo”.

Agressividade na campanha

A agressividade das campanhas eleitorais chega cada vez mais ao dia a dia das pessoas. Ontem, o professor Gilson Caroni publicou nas redes sociais que a sua filha, médica em um hospital no Rio, foi atacada por uma colega que lhe arrancou um adesivo da campanha da presidenta Dilma que estava colado em sua camiseta. No horário do expediente, segundo ele, o material de campanha estava coberto pelo jaleco. A outra médica usava um adesivo do PSDB. Não é um caso isolado.

Para delegados, greve da PF é “eleitoreira”

Os delegados da Polícia Federal se manifestaram contra a possibilidade dos agentes entrarem em greve nesta semana. Consideram a manifestação “inoportuna” e “com finalidade nitidamente eleitoreira”. O vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, participou de atos da campanha de Marina Silva no primeiro turno, nos quais fez críticas à situação da PF no atual governo.

“A maioria das pessoas acha que pelo fato de o presidente Lula ter indicado a mim, ao Joaquim Barbosa e ao Cezar Peluso ao Supremo, nós seríamos ligado ao PT. Mas nenhum de nós é”

Eros Grau, ex-ministro do STF, sobre ter assinado manifesto pró-Aécio

*Com Leonardo Fuhrmann

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas