A população ainda é pouco engajada nessas questões, segundo diretor do Instituto Auditores Internos do Brasil, Paulo Gomes

Agência Brasil

Os mecanismos de controle governamental do país, responsáveis por identificar irregularidades e desvios, estão muito melhores atualmente que no passado, mas a população ainda é pouco engajada nessas questões, segundo o diretor do Instituto Auditores Internos do Brasil, Paulo Gomes.

Eleições: TSE suspende propaganda de Aécio citando irmão de Dilma

Manifestantes vão às ruas no dia dos professores em São Paulo (arquivo)
Futura Press
Manifestantes vão às ruas no dia dos professores em São Paulo (arquivo)

Aécio: Dilma evoluiu ao admitir desvios na Petrobras, afirma tucano

"Eu diria que a população está desacreditada [do combate à corrupção]. Os jovens não se empenham suficientemente", disse ele à Agência Brasil.

Segundo o auditor, as manifestações de junho de 2013, que levaram milhares de pessoas às ruas de diversas cidades brasileiras, foram movimentos pontuais e pouco numerosos em relação ao tamanho do país.

De outro lado, Gomes ressaltou o papel da imprensa para pressionar por resultados nas investigações de corrupção. Ele também destacou que a reputação de uma empresa ou um órgão é muito importante e um escândalo financeiro pode resultar em perda de credibilidade.

Os temas serão discutidos a partir deste domingo (19) até quarta-feira (22) por mais de 500 auditores de instituições públicas e privadas reunidos no 35º Congresso Brasileiro de Auditoria Interna (Conbrai), em Goiânia. O objetivo do encontro é discutir desafios e trocar experiências quanto a novas perspectivas no controle interno governamental do país.

Para o auditor, há uma evolução do processo de melhoria no controle e no combate a corrupção no Brasil, que, segundo ele, já foi pior.

"Nos últimos anos, já houve oimpeachment de um presidente da República e a cassação de governadores. Você vê, periodicamente, parlamentares sendo cassados e também situações de julgamento de processos na Justiça que antes não avançavam", argumentou.

Apesar disso, ele observa que a Justiça ainda precisa dar resposta mais rápida a julgamentos desse tipo, para que a população não fique com a sensação de que há impunidade.

"Para mim, a execução da apuração de corrupção avançou bastante, mas a questão do julgamento precisa avançar mais", afirmou, lembrando que, em alguns casos, os processos até prescrevem pela demora.

Para o especialista, são muitos os fatores que contribuem para a descoberta de casos.

"Hoje, é possível obter informações significavas na internet. O próprio governo vem incentivando o Portal da Transparência, onde ações de gastos públicos são colocadas, como por exemplo viagens a serviço no Brasil e no exterior e as compras de obras e serviços", afirmou.

Paulo Gomes coloca como um dos maiores desafios a prevenção da fraude. "Combater a fraude depois que ela ocorre é complicado. O fraudador sempre está à frente, mas a partir do momento em que você cria mecanismos para controlar as informações principalmente financeiras você vai inibir a ação do fraudador, que geralmente acha que nunca vai ser descoberto. As vezes o estrago financeiro não é tão grande quanto o da imagem da instituição", lembrou. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.