PT pede que Justiça tire grupo "Dignidade Médica" do ar após postagens racistas

Por Carolina Garcia - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Partido busca identificação e punição dos autores de posts agressivos contra nordestinos em página revelada pelo iG

O PT fez denúncia formal ao Ministério Público Federal (MPF), na última quinta-feira (16), contra o grupo Dignidade Médica, revelado pelo iG por pregar holocausto e castração química a nordestinos e eleitores da candidata à reeleição Dilma Rousseff. O partido pediu a retirada da comunidade do ar, a identificação dos autores dos posts racistas e a proibição de que novas manifestações semelhantes sejam divulgadas na internet.

Entenda: Comunidade médica prega holocausto no Nordeste em campanha contra Dilma

Reprodução
Após reportagem do iG, administradores trocaram foto de capa da comunidade 'Dignidade Médica'

O texto do documento, assinado presidente do Diretório Estadual do PT/SP, Emídio de Souza, e pelo coordenador jurídico do partido, Marco Aurélio de Carvalho, considera as postagens do grupo de quase 100 mil usuários, que se declaram da classe médica, como “propagação indevida de ideias absurdas, inaceitáveis e repugnantes”. E, por isso, pede ao MPF “a imediata paralisação da veiculação das mensagens com conteúdo racista e consequente responsabilização criminal e civil dos envolvidos”.

Médica de grupo anti-PT minimiza holocausto a nordestinos: 'é revolução do agir'

Ódio na web: Disputa presidencial gera surto de preconceito contra nordestinos

Ainda no mesmo dia, uma petição foi entregue ao Conselho Regional de Medicina (CRM), cobrando uma investigação do caso pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) contra supostas “infrações ético-profissionais” praticadas pelos usuários, que se declaravam como médicos nos próprios perfis da rede social Facebook.

Relembre as postagens contra nordestinos do grupo Dignidade Médica:

Postagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoReprodução da página 'Dignidade Médica' com quase 100 mil membros na rede social do Facebook. Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoUsuários confessaram que fazem campanha por Aécio Neves dentro do próprio consultório - privado ou público. Na foto, suposto receituário médico com apoio ao tucano. Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoPostagens do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook com citações preconceituosas e discurso de ódio . Foto: ReproduçãoFoto com a frase 'Sou médico e não voto no PT' é compartilhada por alguns membros do grupo nas redes sociais. Foto: ReproduçãoReprodução do tumblr ' Médicos Indelicados', que soma as postagens preconceituosas e de ódio do grupo. Foto: Reprodução

Carvalho, que representa o departamento jurídico do PT, explica que o partido não está generalizando a conduta e condenando toda a classe médica. "Acho que a classe médica é tão vítima quanto os nordestinos, mas alguns passaram do limite. [Os autores] mostraram que não têm capacidade para exercer uma capacidade tão nobre quanto essa", explicou o advogado ao iG.

Ele acusa ainda a prática confessada por alguns membros grupo de que eles realizam campanha a favor de Aécio Neves, candidato do PSDB, dentro de consultórios - públicos ou privados. Procurados pela reportagem, os administradores disseram que a página "usada para desabafos de médicos" foi atacada por perfis fakes e por "petistas que buscam tumultar o debate".    

Reprodução
Exemplo de postagem do grupo 'Dignidade Médica' no Facebook

Crime de ódio e preconceito

Diante de várias denúncias relacionadas à incitação ao ódio e preconceito contra a comunidade nordestina pela internet, a Procuradoria-Geral da República (PGR) recomendou, na semana passada, que integrantes MPF em todos os Estados levantassem denúncias com o objetivo de que a PGR instaure procedimentos criminais ou administrativos contra autores de posts preconceituosos na rede.

Em menos de uma semana, a PGR recebeu 85 denúncias. As acusações são analisadas pela Procuradoria da República do Distrito Federal (PRDF). E foram feitas através da Central de Atendimento ao Cidadão da PGR e listam postagens contra nordestinos pelo Facebook, Twitter, Whatsapp, entre outras redes sociais, em mensagens ligadas diretamente ao processo de eleição.

Autores de posts discriminatórios estão passíveis de responder pelo crime de racismo. O delito é previsto no art. 20 da Lei 7.716/89 e pode render pena de dois a cinco anos, mais multa. Além dos crimes de racismo, autores de posts também são passíveis dos crimes de incitação pública à prática de ato criminoso, que pode resultar em detenção de 3 a 6 meses, mais multa.

*com informações de reportagens de Wilson Lima, do iG Brasília

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas