Frente parlamentar ouvirá delegado da PF sobre Operação Lava Jato

Por Agência Câmara | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública, deputado Fernando Francischini (SD-PR) reclama que infraestrutura da investigação é mínima

Agência Câmara

A Frente Parlamentar da Segurança Pública vai ouvir nesta terça-feira (14) o presidente da Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal (ADPF), Marcos Leôncio Ribeiro, que falará sobre as dificuldades que a PF vem enfrentando nas investigações da Operação Lava Jato. A iniciativa da audiência é do presidente da frente, deputado Fernando Francischini (SD-PR).

Divulgação
Francischini acredita que o governo tentará evitar depoimento de presidente da ADPF

“Marcos Leôncio vai explicar as condições que o governo federal está dando para que a Polícia Federal analise toda a documentação já apreendida durante a operação. As informações iniciais que possuo são de que a infraestrutura de investigação é mínima, existe abandono, poucos agentes permanecendo no caso e um revezamento gigantesco. As informações são as piores possíveis”, disse o deputado.

Leia mais:

Lindberg Farias nega que ex-diretor da Petrobras tenha atuado em campanha no RJ

Ex-diretor da Petrobras, Youssef e oito réus depõem em inquérito da Lava Jato

Operação Lava Jato prende 24 e apreende obras de arte, bens e R$ 5 milhões

Fernando Francischini, que é líder do Solidariedade, já apresentou requerimento à CPMI da Petrobras para que o presidente da ADPF fale aos integrantes da comissão sobre o mesmo assunto. O deputado acredita que o governo vai tentar impedir esse depoimento na CPMI antes do segundo turno das eleições e, por isso, marcou a reunião da frente parlamentar para antecipar o depoimento.

Veja galeria de imagens da Operação Lava Jato:

PF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: Divulgação

“O governo vem a público, no período eleitoral, dizendo que dá autonomia à Polícia Federal, mas, na prática, não faz isso. O presidente da ADPF é a pessoa mais indicada para falar se a estrutura da PF está sendo deficitária e se está havendo jogo nos bastidores para evitar que essa operação siga em frente”, destacou Francischini.

Deflagrada em 17 de março pela PF, a Operação Lava Jato desmontou um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que movimentou cerca de R$ 10 bilhões. Entre os presos na operação estão o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Ambos estão sendo investigados pela CPMI da Petrobras.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas