CCJ decide na quarta recurso de Vargas contra processo de cassação

Por Agência Câmara | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sessão da última semana não pôde ser realizada por falta de quórum; parecer a ser votado nega recurso do ex-vice-presidente da Câmara

Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) volta a se reunir nesta quarta-feira (15), às 10 horas, para votar o recurso do deputado André Vargas (PT-PR) contra a decisão do Conselho de Ética que recomendou a sua cassação. A votação havia sido marcada para a semana passada, mas foi adiada por falta de quórum.

Alan Sampaio / iG Brasília
André Vargas é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Yousseff


Leia mais: Contadora cita pagamentos a André Vargas e Mário Negromonte

PT pede mandato de André Vargas ao TSE por desfiliação partidária

Juiz envia investigação sobre André Vargas ao presidente do STF

 



No recurso, André Vargas se queixa de cerceamento no direito de defesa, término antecipado da investigação e falta de acesso pleno à cópia do processo. No entanto, o relator do recurso na CCJ, Sergio Zveiter (PSD-RJ), deu parecer contrário. Zveiter concluiu que o Conselho de Ética garantiu ao deputado o amplo direito de defesa e o princípio do devido processo legal.

“Concluo que não houve, no julgamento da representação, qualquer ato do conselho ou de seus membros que tenha contrariado norma constitucional, legal, regimental ou do Código de Ética e Decoro Parlamentar”, disse o relator.

Se a CCJ negar o recurso de Vargas, o seu processo estará pronto para ser incluído na pauta do Plenário da Câmara dos Deputados. A cassação de Vargas dependerá do voto favorável de 257 deputados, em votação aberta.

Conselho de Ética

O pedido de cassação foi aprovado pelo Conselho de Ética no dia 20 de agosto. O conselho considerou que as relações entre Vargas e o doleiro Alberto Youssef violaram as normas de decoro parlamentar.

Youssef emprestou a Vargas um jatinho para que ele e a família pudessem passar férias no Nordeste. Além disso, Vargas é suspeito de intermediar interesses de empresas fantasmas do doleiro em contratos com o Ministério da Saúde.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas