Marina declara apoio a Aécio e nega que decisão seja 'acordo para governar'

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Anúncio acontece após uma semana de negociações e um dia depois de Aécio assumir compromissos colocados por Marina

Futura Press
Apoio de Marina a Aécio acontece após uma semana de negociações

Em coletiva realizada na manhã deste domingo (12), Marina Silva, candidata derrotada à presidência da República pelo PSB, declarou seu voto e seu apoio a Aécio Neves, do PSDB. 

"Tendo em vista o compromisso de Aécio, declaro meu voto e meu apoio. Votarei em Aécio e o apoiarei. Votando nesses compromissos, dando um crédito de confiança à sinceridade de propósitos do candidato e de seu partido e, principalmente, entregando à sociedade brasileira a tarefa de exigir que sejam cumpridos", disse Marina.

Aliança: Aécio se compromete com parte de propostas de Marina

O anúncio acontece após uma semana de negociações com o PSDB e um dia depois de Aécio assumir uma série de compromissos colocados por Marina como condição para apoiá-lo.

Das sugestões apresentadas por Marina, Aécio se comprometeu com a ampliação de políticas sociais e da participação popular, manutenção da prerrogativa do Executivo de demarcar terras indígenas, além de reiterar seu “compromisso programático” com a questão ambiental, tema-chave para Marina, e com a “retomada” da reforma agrária.

Em seu pronunciamento, Marina disse que fazia a declaração como cidadã e brasileira, "que continuará livre e coerentemente suas lutas e batalhas no caminho que escolheu". "Não estou com isso fazendo nenhum acordo ou aliança para governar", completou. 

Marina também disse que não se pode mais "continuar apostando no ódio e na calúnia", em referência à perseguição política que teria sofrido do PT durante o primeiro turno das eleições presidenciais.

Acreditar em "propostas apenas pelo poder", disse ela, é estar sujeito a "pagar um preço muito caro, com a retirada da ética e das relações políticas". "É a substituição da identidade nacional pela identidade partidária vingativa. É ferir de morte a nossa democracia."

Por fim, a candidata disse que vê em Aécio alguém que "interpretou corretamente o que está acontecendo no Brasil nas últimas décadas." "Novamente a história faz com que a gente possa acreditar que progressivamente estamos avançando."

Marina não esclareceu a forma como vai participar da campanha do tucano, mas disse que isso será discutido com Aécio.

Na votação do primeiro turno, Marina ficou com 21,3% dos votos válidos, pouco mais de 22,1 milhões de votos. A presidente Dilma obteve 41,6%, quase 43,3 milhões, enquanto Aécio teve 33,6%, o equivalente a 34,9 milhões.

Leia tudo sobre: MarinaAécioeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas