'Maioria expressiva optou por Aécio ', diz Siqueira, favorito para presidir PSB

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Apoiado pelo PSB pernambucano, ele afirma que atual presidente, Roberto Amaral, vinculou-se a uma minoria

O candidato à presidência do PSB, Carlos Siqueira, única chapa registrada até agora no partido, disse que tem o apoio da maior parte dos socialistas e que, caso o atual presidente, Roberto Amaral, queira presidir a Fundação João Mangabeira, instituto de estudos do partido, terá lugar em sua chapa.

“Ele não se manifestou. Se ele vai ou não se candidatar é uma decisão dele. Se ele quiser se vincular à nossa chapa, será bem vindo. Se ele quiser ir para a Fundação (João Mangabeira), pode ficar a vontade”, disse Siqueira, que encabeça a candidatura apoiada principalmente pela maioria do partido que deu aval para o apoio à candidatura do tucano Aécio Neves à Presidência da República.

Enquanto os socialistas decidiam o apoio ao tucano no segundo turno, a chapa foi organizada para concorrer às eleições da legenda, marcada para segunda-feira (13).

Roberto Amaral: PSB optou pelo coronelismo ao apoiar Aécio Neves

Divulgação
Carlos Siqueira é favorito comandar o PSB

Ex-coordenador de campanha de Eduardo Campos, Siqueira rompeu com Marina Silva quando, após a morte do principal líder do partido, ela passou a encabeçar a candidatura do PSB à Presidência da República.

A chapa de Siqueira tem o aval da turma de Pernambuco, encabeçada pelo governador eleito do Estado, Paulo Câmara, candidato a primeiro vice-presidente da legenda. O prefeito de Recife, Geraldo Júlio, também figura como candidato a secretário nacional da legenda, cargo de Siqueira atualmente.

De acordo com socialistas, a viúva de Campos, Renata Campos, também concordou com a candidatura de Siqueira. Renata, neste sábado, receberá Aécio para um almoço em Recife e anunciará apoio à sua candidatura.

O apoio a Aécio foi a gota d’água para que o atual presidente da sigla, Roberto Amaral, desistisse de tentar sua recondução ao cargo. “Ele se vinculou a uma minoria. Uma maioria, bastante expressiva optou por Aécio, mas isso é da vivência partidária”, comentou Siqueira.

Amaral chegou a marcar a eleição do PSB duas semanas antes da eleição em segundo turno. Entre os socialistas, é consenso que, naquele momento, ele seria reconduzido. A pedido do candidato a vice de Marina, Beto Albuquerque, Amaral acabou adiando a reunião para esta segunda (13), no entanto, ele mesmo tem reconhecido em conversas para lá de reservadas com poucos colegas de partido que não há mais clima para permanecer na condução da legenda.

Leia mais: PSB confirma apoio a Aécio no segundo turno

Siqueira é um nome de consenso. Sua chapa reúne ainda o vice-governador eleito de São Paulo, Marcio França, além de socialistas derrotados nas eleições, como o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, candidato a secretário-geral da legenda. Além dele, o senador João Capiberibe, aliado da presidente Dilma Rousseff, integra a chapa.

Além de Capiberibe, entre os que defenderam a neutralidade estavam a senadora Lídice da Mata (BA), o senador Antonio Carlos Valadares (SE), o secretário de Juventude, Bruno da Mata e a deputada federal reeleita Luiza Erundina. Após a decisão de apoio a Aécio, Erundina também decidiu se afastar da direção executiva do PSB.

Leia tudo sobre: Eleições 2014PSB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas