Na TV, Dilma critica fala de FHC sobre eleitor do PT e Aécio cita Marina Silva

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Programa da petista repete bordão "governo novo, ideias novas"; tucano se apresenta como nome único da oposição

Reprodução
Aécio: discurso de união da oposição

No primeiro dia de horário eleitoral gratuito na TV para o segundo turno das eleições presidenciais, o programa de Dilma Rousseff (PT) criticou fala do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) sobre desinformação dos eleitores petistas. Já o de Aécio Neves (PSDB) citou Marina Silva (PSB), que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, mesmo sem o tucano ter recebido o apoio formal da ex-senadora.

Reprodução
Dilma: ataque a FHC para atingir Aécio

"Quando era presidente, [FHC] chegou a chamar os aposentados de vagabundos. Agora, ao comentar o primeiro turno desta eleição, FHC disse literalmente: 'não é porque são mais pobres que votam no PT, é porque são menos informados'. Ou seja para FHC, os 43.267.688 eleitores de Dilma [no 1º turno] são ignorantes", diz o locutor da propaganda petista que foi ao ar na noite desta quinta-feira (9).

Leia também: PSDB está à frente do PT pela 1ª vez no início de um segundo turno, aponta Datafolha

Atacar FHC como forma de atingir Aéico tem sido uma das estratégias principais da campanha do PT desde que o senador começou a se mostrar, novamente, um candidato competitivo na disputa presidencial, nas últimas semanas antes do primeiro turno.

"Ele [Aécio] representa um modelo que quebrou o país três vezes, que abafou todos os escândalos de corrupção, que privatizou o patrimônio público a preço de banana, que causou desmeprego altíssimo, arrocho salarial e recessão", diz Dilma na propaganda.

No primeiro turno: Confira as palavras mais usadas pelos candidatos na TV

Vestindo azul, e não o tradicional vermelho do PT, a petista repetiu o bordão que vem usando para tentar conquistar eleitores insatifeitos com sua gestão: governo novo, ideias novas. 

"Entendi o recado das ruas e das urnas. Os brasileiros e brasileiras que me deram a vitória no primeiro turno disseram que a melhor forma de continuar mudando é acelerar e aperfeiçoar o que está em andamento, e fazer um governo novo com ideias novas."

Locutor compara Aécio a Tancredo

A propaganda de Aécio buscou apresentar o tucano como uma opção de consenso da oposição a Dilma. 

"A quem não votou em mim, mas votou na mudança, eu te convido agora a vir com a gente", diz Aécio, que também vestia azul. "Você que escolheu não votar (...), no fundo, no fundo, você também quer mudar", completou o tucano, pregando a superação de diferenças entre os contrários ao governo Dilma.

Pesquisa: Dilma e Aécio estão empatados no 1º turno, mas tucano leva vantagem númerica

A propaganda mostrou o apoio de outros candidatos a presidente que ficaram no primeiro turno, como Eduardo Jorge (PV) e Pastor Everaldo (PSC). Na falta de Marina Silva (PSB) - que não declarou seu apoio formal ao tucano, embora a Rede Sustentabilidade da ex-senadora já tenha recomendado voto nele  -, o programa de Aécio exibiu Roberto Freire, presidente do PPS, citando que o partido "estava com Marina."

O programa também mostrou Aécio recebendo o apoio do PSB - legenda pela qual Marina concorreu - e citando o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que morreu em 13 de agosto na condição presidenciável pessebista.

No início, a propaganda aecista faz uma analogia entre a condição de Aécio na atual disputa presidencial com a que seu avô, Tancredo Neves, ocupou como líder da oposição política à ditadura militar .

"Trinta anos atrás, quando o Brasil sofria uma cruel ditadura e pedia por mudanças, um mineiro chegou e disse que, se os brasileiros deixassem as diferenças de lado e se unissem sob uma mesma bandeira, nada poderia detê-los", diz o trecho inicial do vídeo. "Tancredo neves mostrou que nada é impossível quando o povo está unido e, hoje, 30 anos depois, justo quando o país mais precisa, aparece outro mineiro e neto de Tancredo, para denunciar o que está errado e fazer a grande mudança que o Brasil precisa."


Leia tudo sobre: eleições 2014dilma rousseffaécio neves

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas